Introdução ao OVD - parte 3 - Como tratar OV usado

O lugar privilegiado para aqueles que optam usar óleo vegetal directamente nas viaturas.



Responder
Avatar do Utilizador

Autor do tópico
hynek
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2134
Registado: terça mai 16, 2006 4:16 pm
Localização: Viseu
Estado: Desligado

Introdução ao OVD - parte 3 - Como tratar OV usado

Mensagem por hynek » terça mai 22, 2007 3:42 pm

deve se recolher só óleo que não seja muito escuro (queimado, oxigenado).

o ov usado depois deve ser passado por uma peneira, para retirar os elemento mais grossos, por uma meia de nylon e ficar a descansar uns dias (ou até 1 semana). depois é retirado só o ov limpo e filtrado até 1 mícron. parece-me também aconselhável fazer um teste de acidez e proceder à correcção (estamos a fazer uns testes e depois fica aqui informação como fazer).

o ov usado, como alternativa, poderá ser também lavado (o resultado é mais seguro), segundo:

receita do fry

sistema artesanal




material necessário:
duas barricas de plástico, duas torneiras e uma vassoura de piaçaba.

preparação do material:
as torneiras são aplicadas no fundo das barricas, sendo uma delas a um palmo mais acima.

1º - colocamos todo esse óleo usado no recipiente que tem a torneira um palmo mais acima e deixamos assentar todo o lixo e resíduos que em dois ou três dias se acumulam no fundo.

2º - retiramos o óleo pela torneira, deixando no fundo os resíduos, que posteriormente colocamos no contentor.

3º - colocamos o óleo na barrica que tem a torneira no fundo e iniciamos o processo de lavagem.

4º - lavagem.
colocam-se 50% de água sobre a quantidade do óleo a reciclar e com a vassoura, agita-se durante 5 a 10 minutos e deixa-se repousar. o óleo, sendo mais leve ficará sempre por cima, facilitando a extracção da água pela torneira. o tempo de repouso difere de óleo para óleo e da temperatura ambiente. caso queiramos acelerar o processo podemos colocar uma pequena resistência no interior do recipiente, ou usar água bem quente. normalmente o tempo duma completa separação da água no verão, é de uma hora.
esta operação é feita por duas vezes, retirando assim a acidez e inertes (sabão) prejudiciais ao motor.

5º - secagem.
tal como nos lagares de azeite, o óleo precisa de estabilizar ou secar. o processo de secagem é muito importante, pois qualquer humidade no óleo vai forçar a bomba injectora e injectores, tal com acontece com água no gasóleo dos postos de combustível, que muitas vezes provoca danos graves e dispendiosos ás viaturas de quem o consome.
o óleo só está em condições de ser usado, após ficar translúcido e transparente, a exemplo do que se encontra à venda nas prateleiras dos supermercados.
o sol contribui bastante para que o processo seja mais rápido, apesar de levar alguns dias. normalmente com uma pequena resistência a secagem é feita em horas.

6º filtragem.
para assegurar uma boa qualidade deste precioso combustível, devemos filtrá-lo.
a forma mais simples e económica, é usar a perna de umas calças de ganga que já estão fora de uso, sem estarem rotas. pedimos à maria para cozer (fechar) uma manga, e teremos um filtro ideal para o efeito. esta operação é lenta por isso temos de criar condições para que o óleo vá escorrendo lentamente para um recipiente limpo e seco.



uma alternativa simples e barata, embora mais demorada, é primeira pré-filtragem por uma meia de nylon, decantação de 1 semana, segunda pré-filtragem por gravitação através de um saco de filtragem (2 a 5 mícron), filtragem final através de um segundo saco de filtragem (a 1 mícron):
http://novaenergia.net/forum/viewtopic. ... 9#28609olá

receita do fry

lavagem de ov usado

sistema mecanico com turbulência forçando emulsão.

após algumas experiências na lavagem do ov, achei por bem, modificar algumas funcionalidades no processo.

a maior dificuldade no tratamento do ov é sem duvida a filtragem. depois de ter adaptado um sistema de filtragem mais fiável, conclui que os que anteriormente usava, deixavam passar grande parte de partículas não visíveis, que acabavam por se acumular no depósito da viatura, entupindo os filtros constantemente.

o sistema de filtragem era o mais simples e os filtros eram de fio bobinado. a micragem era de 5 e de 1. ora...a operação de filtragem estava a ser mascarada, por filtros sem qualidade.

como a cobaia, (toyota starvan) tem um kit duotanque, as percentagens são bastante elevadas, atingindo no seu consumo 97% de ov usado.


como novo sistema de filtragem, deparei-me com um entupimento continuo dos filtros, que pela sua alta qualidade, bloqueiam literalmente, acusando o seu fim.

tive então de tentar modificar a lavagem, para que a jusante os problemas fossem minorados.

a pré-filtragem é feita da mesma forma, ou seja, por uma rede de 3 a 4 milímetros, e o ov é colocado no depósito de inox que uso para fazer a reacção do bd.

posso vos dizer, que para um bom tratamento do ov usado, o tanque deve ter as características idênticas á do reactor ou processador simpliplificado de bd. digo isto, porque necessitamos de empregar mesmas funções na execução de uma boa lavagem e filtragem.

após o ov usado ter sido submetido á pré-filtragem, colocamos no reactor, e elevamos a temperatura para 80º. adicionamos 30% a 40% de água, directamente da rede.

neste fase, não vamos usar os aspersores, mas sim a torneira livre, tal como se procedesse á reacção do bd. após verificarmos que o ov usado ficou completamente emulsionado tipo leite, desligamos a bomba misturadora e deixamos que a temperatura da resistência, que mantemos ligada, faça a separação natural.

após umas horas, dependendo da resposta da resistência, retira-se a água que está no fundo completamente suja.

repetimos esta operação mais duas vezes e o ov usado está pronto para passar á fase seguinte, ou seja, a secagem.

a secagem, pode ser lenta ou rápida, consoante a necessidade que temos do ov ou do consumo de energia que pretendemos usar.

na secagem lenta, desligamos a resistência e deixamos o ov estabilizar, retirando diariamente a água que se acumula no fundo. seguidamente ligamos a bomba misturadora por 10 minutos, canalizando o caudal para os aspersores. desta forma o ov, em contacto com o ar, faculta a evaporação de alguma água. esta operação pode ser feita duas vezes por dia.

na secagem rápida, a diferença está em mantermos com a resistência ligada. de resto, seguimos os mesmos passos da secagem lenta.

o ov só estará seco, quando conseguirmos através dele, ver o fundo do tanque com muita nitidez.

segue-se então a filtragem.

aconselho a usarem um bom kit de filtragem (posso aconselhar a marca aos interessados) e filtros de alta qualidade. além de serem mais fiáveis, suportam melhor temperaturas até 80º e pressão até 5kg sem rebentarem, como acontecia no kit inicial.

a filtragem a quente é mais rápida devido á menor viscosidade, sendo aconselhável o uso de um by-pass de forma que a pressão não seja excessiva, á medida que os filtros vão entupindo.

no meu caso, o kit de filtragem é um grupo gémeo, em linha, limitando a opção da micragem.

para contornar essa privação, coloco filtros de 50 e 25 micros no kit fazendo o retorno, novamente para dentro do reactor. posteriormente, coloco filtros de 10 e 5 micros e coloco o ov usado e tratado noutro qualquer recipiente pronto para usar na viatura.

abraço e boas lavagens.
Última edição por hynek em sexta ago 03, 2007 10:22 am, editado 4 vezes no total.
Um abraço
Hynek
Associado n.º 8 da
Associação NovaEnergia.net



manuelcar
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2658
Registado: terça mai 09, 2006 3:46 pm
Estado: Desligado

Mensagem por manuelcar » terça mai 22, 2007 9:26 pm

ora aqui está um inamovível precioso e que já fazia muita falta!

Avatar do Utilizador

orbis
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 2872
Registado: quarta ago 02, 2006 11:10 pm
Localização: Baixo Mondego
Estado: Desligado

Mensagem por orbis » terça mai 22, 2007 9:48 pm

tenho seguido (em pequena escala) esses procedimentos. aquando da lavagem, formam-se três camadas: por baixo a água, por cima o óleo e no meio uma emulsão tipo maionese. faço a lavagem e decantação seguida de purga da água e da "maionese", cinco vezes. depois vai para a secagem e o resultado obtido é bom, embora a secagem ao sol só tenha funcionado de forma eficaz nestes últimos dias de calor. para a próxima, vou ver se me lembro de tirar fotos.

Avatar do Utilizador

Fry
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2382
Registado: segunda mar 27, 2006 12:03 pm
Localização: Algures por aí...
Estado: Desligado

Mensagem por Fry » quarta mai 23, 2007 9:28 am

essa maionese tem tendência a ser minima se usarmos mais temperatura.
Range Rover OVU30
Toyota Starvan C/KIT 2T OVU97
Sócio Nº 4

Avatar do Utilizador

orbis
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 2872
Registado: quarta ago 02, 2006 11:10 pm
Localização: Baixo Mondego
Estado: Desligado

Mensagem por orbis » quarta mai 23, 2007 9:30 am

usar água quente na lavagem?

Avatar do Utilizador

Fry
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2382
Registado: segunda mar 27, 2006 12:03 pm
Localização: Algures por aí...
Estado: Desligado

Mensagem por Fry » quarta mai 23, 2007 10:31 am

a temperatura tanto pode ser com água quente como com o auxilio de uma resistência ou outra fonte de calor.

abraço
Range Rover OVU30
Toyota Starvan C/KIT 2T OVU97
Sócio Nº 4


tiagoc
Membro
Membro
Mensagens: 6
Registado: domingo mai 20, 2007 10:42 am
Localização: Lisboa
Estado: Desligado

Mensagem por tiagoc » quarta mai 23, 2007 10:18 pm

fry Escreveu:a temperatura tanto pode ser com água quente como com o auxilio de uma resistência ou outra fonte de calor.

abraço
li algures (tenho visto tantos sites sobre ov, que já não sei se foi mesmo aqui ou noutro...) que uma ideia seria aquecer com aquelas mantas eléctricas que há por aí à venda

nunca utilizei nenhuma e não sei que temperatura conseguem atingir, em segurança (nem os consumos eléctricos), mas teoricamente parece-me uma boa solução: enrolar o bidon com uma manta dessas e esperar que aqueça

o que acham?

Avatar do Utilizador

orbis
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 2872
Registado: quarta ago 02, 2006 11:10 pm
Localização: Baixo Mondego
Estado: Desligado

Mensagem por orbis » quarta mai 23, 2007 10:24 pm

como tenho preocupações essencialmente ambientais (económicas em menor grau, senão não andava com baixas percentagens de ovd), só gasto energia nestas coisas se tiver mesmo que ser. para mim não faz sentido estar a consumir electricidade em grande parte obtida de fontes fósseis para não consumir gasóleo. vou tentar fazer o máximo que puder com energia solar, aproveitando o verão.

Avatar do Utilizador

serges
Administrador
Administrador
Mensagens: 14981
Registado: quinta mar 09, 2006 7:15 pm
Localização: Amadora
Estado: Desligado

Mensagem por serges » quarta mai 23, 2007 10:27 pm

essa é que é essa!

pois infelizmente ter um veiculo electrico tambem não será o mais limpo possivel devido a fonte da energia electrica!

já foi dito por aqui por um user, não me recordo quem as minhas desculpas!

mas se for assim 100% limpo só temos mesmo é de aproveitar!
40595 a bordo de uma Vectrix.
Procuro pontos de carga para veículos eléctricos, contacte-me! 915001177
Mapa dos pontos de carga


tiagoc
Membro
Membro
Mensagens: 6
Registado: domingo mai 20, 2007 10:42 am
Localização: Lisboa
Estado: Desligado

Mensagem por tiagoc » quinta mai 24, 2007 12:27 am

em relação aos excedentes dessas limpezas, qual é o fim mais apropriado?

já vi que a água pode ser usada em rega (quem tiver essa possibilidade), por exemplo, mas ainda não li nada sobre a "maionese"... tem algum uso ou deita-se fora? junto com o lixo comum ou deve-se ter algum cuidado especial (separando, entregando em algum local apropriado, ...)?

Avatar do Utilizador

Fry
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2382
Registado: segunda mar 27, 2006 12:03 pm
Localização: Algures por aí...
Estado: Desligado

Mensagem por Fry » quinta mai 24, 2007 6:46 am

o lixo e borras são colocados no contentor.

em relação á maionese, respondo com uma pergunta.
antes de pensares em aproveitar esse resíduo como combustível, que destino lhe davas? a maionese que retiras é 5% do resíduo. depois de responderes eu dou a minha sugestão.
Range Rover OVU30
Toyota Starvan C/KIT 2T OVU97
Sócio Nº 4

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
hynek
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2134
Registado: terça mai 16, 2006 4:16 pm
Localização: Viseu
Estado: Desligado

Mensagem por hynek » quinta mai 24, 2007 11:58 am

eu queimo tudo na salamandra, a água vai para esgotos (só contém sujidade, talvez alguma acidez)
Um abraço
Hynek
Associado n.º 8 da
Associação NovaEnergia.net


tiagoc
Membro
Membro
Mensagens: 6
Registado: domingo mai 20, 2007 10:42 am
Localização: Lisboa
Estado: Desligado

Mensagem por tiagoc » quinta mai 24, 2007 12:01 pm

o destino que lhe dava, se não soubesse de nenhum tipo de aproveitamento, seria provavelmente o contentor do lixo

mas depois de alguma pesquisa, encontrei vários usos possíveis. há algum fórum que ensine a fazer sabão ou pasta dos dentes, em casa?

ainda sobre este processo, encontrei um documento onde diz:
other fuels:

it is possible to use fuels that are solid at room temperature as a fuel. i have been experimenting with this in my 2.25 siii. i have a copper pipe running through my second fuel tank carrying hot engine coolant. this then feeds into a heated fuel filter and through a heat exchanger before making it to the engine compartment where it passes through a second heat exchanger in a looped return.

so far it has run very well. i have been using the solid fat that settles out from used oil. the liquid oil goes into my 300tdi. solid fat has about 5% extra energy above diesel, so it is a very easy way to get a little more power!
se percebi bem, a parte a negro é referente aos "resíduos" falados no 2º ponto da receita. alguém já fez isto??

Avatar do Utilizador

Fry
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2382
Registado: segunda mar 27, 2006 12:03 pm
Localização: Algures por aí...
Estado: Desligado

Mensagem por Fry » quinta mai 24, 2007 2:39 pm

mas..... falamos de glicerina ou da maionese da lavagem???? que confusão aí vai
Range Rover OVU30
Toyota Starvan C/KIT 2T OVU97
Sócio Nº 4


tiagoc
Membro
Membro
Mensagens: 6
Registado: domingo mai 20, 2007 10:42 am
Localização: Lisboa
Estado: Desligado

Mensagem por tiagoc » quinta mai 24, 2007 3:11 pm

realmente, houve alguma confusão

a glicerina só aparece quando se transforma o óleo em bio-diesel, não tendo nada a ver com filtragem e lavagem do óleo usado. é isso?

o hynek já disse o que fazia à "maionese" da lavagem. fry, qual é a tua sugestão?

Avatar do Utilizador

Fry
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2382
Registado: segunda mar 27, 2006 12:03 pm
Localização: Algures por aí...
Estado: Desligado

Mensagem por Fry » quinta mai 24, 2007 4:23 pm

a maionese que retiro vou juntando num recipente maior. ao fim de alguns meses, quase que deixa de existir, ficando totalmente separada. a água por baixo e o óleo por cima. é tão simples quanto isso a que restar é quase só água.
Range Rover OVU30
Toyota Starvan C/KIT 2T OVU97
Sócio Nº 4

Avatar do Utilizador

jscavalh
Membro Dedicado
Membro Dedicado
Mensagens: 48
Registado: sábado mar 24, 2007 1:09 pm
Localização: Algures no mar
Estado: Desligado

Mensagem por jscavalh » sexta mai 25, 2007 9:39 pm

manuelcar Escreveu:ora aqui está um inamovível precioso e que já fazia muita falta!
concordo plenamente, é sem duvida um dos melhores post,
Frita frita Terrano I


DINIS
Membro
Membro
Mensagens: 11
Registado: segunda mai 21, 2007 10:19 pm
Localização: SANTIAGO DO CACÉM
Estado: Desligado

RETIRAR O SAL.

Mensagem por DINIS » terça mai 29, 2007 1:27 pm

gostaria de saber como é retirado o sal e o acuçar do oleo.
tenta misturar açucar e sal no óleo e depois conta


manuelcar
Staff Member
Staff Member
Mensagens: 2658
Registado: terça mai 09, 2006 3:46 pm
Estado: Desligado

Mensagem por manuelcar » terça mai 29, 2007 1:29 pm

lavagem e secagem! quando lavas e secas sai tudo o que seja solúvel em água.

Avatar do Utilizador

jscavalh
Membro Dedicado
Membro Dedicado
Mensagens: 48
Registado: sábado mar 24, 2007 1:09 pm
Localização: Algures no mar
Estado: Desligado

Mensagem por jscavalh » terça mai 29, 2007 2:41 pm

orbis Escreveu:como tenho preocupações essencialmente ambientais (económicas em menor grau, senão não andava com baixas percentagens de ovd), só gasto energia nestas coisas se tiver mesmo que ser. para mim não faz sentido estar a consumir electricidade em grande parte obtida de fontes fósseis para não consumir gasóleo. vou tentar fazer o máximo que puder com energia solar, aproveitando o verão.
orbis, essa maneira de pensar é de louvar, parabéns, contudo as coisas nem sempre podem ser como queremos, se pudesse até montava um sistema de painéis solares com células fotvoltaicas (andei muito tempo a de volta disto ), porém estes sistemas ficam á média de 10.000€ p/kv produzido, isto para um sistema ligado á rede, tendo em conta as necessidades médias de uma moradia/casa não fazia a festa por menos de 35.000€. a outra saída era mandar vir os painéis da alemanha onde são substancialmente mais baratos e montar eu o sistema, mas sabem como é portugal, pois, se a instalação não for feita por xpto e coisa e tal..............tá quieto

eu sei que não era neste tópico que deveria falar disto, mas vem á baila (e como já li aqui, agora vou levar nas orelhas do orbis) da secagem do óleo..........deram-me uma ideia que para mim é quase brilhante , vou aproveitar a resistência electrica de uma máquina de lavar roupa avariada que vai para o lixo, e se calhar a mesma máquina ainda vai contribuir com mais qualquer coisa para o sistema de lavagem/secagem/filtragem


depois digo qualquer coisa.....................
Frita frita Terrano I

Responder

Voltar para “Óleo Vegetal Directo”