Energia no Século XX

No fórum geral debatem-se temas sobre as energias renováveis e alternativeis que não se encaixem nos restantes sub fóruns.
Também serve para discutir formas de melhorar a eficiência energética.



Responder
Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Tó Miguel
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 3727
Registado: terça mai 30, 2006 8:19 pm
Localização: Montijo/PORTUGAL
Contacto:
Estado: Desligado

Energia no Século XX

Mensagem por Tó Miguel » domingo nov 12, 2006 7:50 pm

com o crescimento tecnológico no mundo, a produção de energia teve um grande salto: em 1900, a produção foi de 500 mtep, às vésperas da ii guerra mundial foi de 1500 mtep e foi crescendo rapidamente até alcançar 6000 mtep, em 1974. com a crise das décadas de 70 e 80, a progressão foi-se mostrando moderada, atingindo 7200 mtep, em 1984.
à medida que a produção cresce, a utilização do carvão - fonte principal de energia, em 1890 - diminui perante o surgimento de fontes alternativas. em 1890, o carvão era responsável por 97% da produção energética total e já, em 1937, foi de 75%.
o petróleo passou a ser progressivamente prepoderante (48% da produção total, em 1973), mas declinou devido à substituição de fontes energéticas durante a crise das décadas de 70 e 80.
uma destas fontes foi o hidrogénio. em 1972, uma economia do hidrogénio foi proposta na cidade de nova iorque, por d. p. gregory. nesse mesmo ano, no 'american chemical society ', w. leeth hauz já propunha o hidrogênio como eco-energia, por não poluir.
no brasil, nesse período, era criado o pró-álcool para incentivar o cultivo da cana-de-açúcar, com o objectivo da produção, não só do açúcar, mas do álcool também.

a produção de energia se concentra em poucos países:
* a antiga urss chegou a produzir 22% da energia no planeta, ultrapassando os eua (18%);
* o oriente médio é um dos grandes exportadores de petróleo;
* a china, actualmente, contribui com pouco menos de 10%, mas sua actuação no mundo vem crescendo;
* a rússia está exportando cada vez mais;

os maiores consumidores de petróleo do mundo são os estados unidos e o japão.


- escassez energética: um desafio para a economia brasileira
no brasil, no ano 2000, a produção de energia representa uma grande questão. com projecções de que a economia cresça a 4%, sectores industriais passaram a actuar com mais força e, assim, consumir mais energia.
mesmo que o país possa contar com grande potencial hidroeléctrico, deve tomar medidas para conter o consumo sem afectar a economia, pois não é auto-suficiente e a produção é, basicamente, por meio de hidroeléctricas.
para que a falta de energia não prejudique o controle da inflação, o brasil importou energia de países vizinhos como a argentina , o uruguai e o paraguai. com o gás natural vindo da bolívia, o governo brasileiro lançou um plano emergencial para construir, em 2001, doze termoeléctricas. no entanto, o insumo (gás natural) não é produzido no brasil na sua maioria, deverá ser importado (bolívia). se deve ou não importar, é quando surge outra questão: as tarifas devem ser atreladas ao dólar ou não, já que essa importação estará baseada na moeda norte-americana ?

http://www.soaresoliveira.br/projetoenergia.em/
Última edição por Tó Miguel em domingo nov 12, 2006 9:28 pm, editado 1 vez no total.
"ECOnomia também pode ser ECOlogia"
Sócio ANE Nº 16


Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Tó Miguel
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 3727
Registado: terça mai 30, 2006 8:19 pm
Localização: Montijo/PORTUGAL
Contacto:
Estado: Desligado

Pesquisa Científica

Mensagem por Tó Miguel » domingo nov 12, 2006 9:27 pm

a pesquisa científica segue dois caminhos opostos:
• racionalismo
• empirismo


o racionalismo argumenta que a obtenção do conhecimento científico se dá pelas ideias inatas, que seriam pensamentos existentes no homem desde sua origem que o tornariam capaz de intuir (deduzir) as demais coisas do mundo. tais ideias inatas seriam o fundamento da ciência.
no empirismo, a experiência é a base do conhecimento científico, ou seja, adquire-se a sabedoria através da percepção do mundo externo ou da análise da actividade de nossa mente, que abstrai a realidade que nos rodeia e a modifica internamente. o empirismo tem portanto, carácter individualista, pois tal conhecimento vem da percepção, que é diferente de um indivíduo para o outro.


origem das ideias

no racionalismo são aceitas três tipos de ideias:
1. as ideias do mundo exterior formadas através da nossa captação interna da realidade externa.
2. as ideias inventadas pela imaginação, fruto do processo criativo da nossa mente.
3. as ideias inatas, aquelas que já nascem com sujeito, concedidas por deus como uma dádiva e que são a base da razão. com estas ideias podemos conhecer as leis da natureza, que também foram criadas por deus.
o empirismo diz que a origem das ideias é o processo de abstracção que se inicia com a percepção que temos das coisas através dos nossos sentidos.

http://www.soaresoliveira.br/projetoenergia.em/
"ECOnomia também pode ser ECOlogia"
Sócio ANE Nº 16

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Tó Miguel
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 3727
Registado: terça mai 30, 2006 8:19 pm
Localização: Montijo/PORTUGAL
Contacto:
Estado: Desligado

Etapas de Produção do Álcool

Mensagem por Tó Miguel » domingo nov 12, 2006 9:39 pm

• transporte: os fardos de cana-de-açúcar cortados na lavoura são carregados em caminhões até a mesa alimentadora da usina, onde passam por uma lavagem com água;
• extracção: esteiras, com facas rotativas, picam o caule. a cana é triturada pelas moendas para fazer o caldo misto (garapa);
• o bagaço sobra nas usinas após a moagem e extracção da garapa.
• tratamento: o caldo misto, que resulta da moagem, é a matéria-prima para a fabricação do álcool, tanto o hidratado quanto o anidro. ele é purificado através de vários processos e técnicas de filtragem.
• fermentação: o caldo misto forma o mosto, ou caldo tratado, que é fermentado em grandes vasilhas, chamadas dornas, com uma mistura composta de leite de levedura, água e ácido sulfúrico.
• destilação: da fermentação do mosto resulta o vinhoto, que enfrenta o processo de centrifugação, é bombeado para as colunas de destilação, aquecido até 90 graus celsius e transformado em álcool bruto.
1l de álcool => 12l de vinhoto

• armazenagem: o álcool bruto, depois de destilado em duas colunas de rectificação, vira álcool hidratado. para virar, passa por três colunas. por fim, é armazenado em grandes reservatórios.

http://www.soaresoliveira.br/projetoenergia.em/
"ECOnomia também pode ser ECOlogia"
Sócio ANE Nº 16

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Tó Miguel
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 3727
Registado: terça mai 30, 2006 8:19 pm
Localização: Montijo/PORTUGAL
Contacto:
Estado: Desligado

Pro-álcool

Mensagem por Tó Miguel » domingo nov 12, 2006 10:13 pm

• ano de criação: 1975;
• governo: geisel;
• objectivo: conter gastos com a importação de petróleo, onerada com o aumento do preço do barril de petróleo devido à crise ocasionada pela opep;
• meta inicial: produzir 3 milhões de m3 de álcool até 1980 - atingida em 1979;
produção de álcool

Imagem

breve histórico do pro-álcool
• década de 70:
o crise na produção de petróleo;
o criação do pro-álcool;
• início da década de 80:
o aumento da produção de álcool;
o aumento nas vendas de veículos a álcool;
• final da década de 80:
o redução do preço do petróleo;
o crise do pro-álcool;
• final da década de 80:
o redução do preço do petróleo;
o crise do pro-álcool;
• década de 90:
o déficit na conta-petróleo;
o alta no preço da gasolina;
o projectos para reactivação do pró-álcool;
pontos positivos do pró-álcool
• grande potencial de produção, proporcionado por factores climáticos;
• diminuição da dependência do petróleo;
• diminuição dos volumes financeiros das importações;
• colocaria na activa pesquisadores da área;
pontos negativos do pro-álcool
• fonte primária dominante: cana-de-açúcar (outras fontes: eucalipto e mandioca);
• cultivo da cana reafirma o modelo de exploração do tipo plantação, prejudicial ao solo;
• prejuízo de r$0,00965/litro de combustível vendido e r$1,3 biliões/ano para o pró-álcool;
• mão-de-obra empregada nas fazendas e usinas de cana é constituída de homens, mulheres e crianças, os bóia-frias, que são remunerados por tarefas, obrigando a jornadas extenuantes de trabalho;

http://www.soaresoliveira.br/projetoenergia.em/
"ECOnomia também pode ser ECOlogia"
Sócio ANE Nº 16

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Tó Miguel
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 3727
Registado: terça mai 30, 2006 8:19 pm
Localização: Montijo/PORTUGAL
Contacto:
Estado: Desligado

BIOMASSA

Mensagem por Tó Miguel » domingo nov 12, 2006 10:22 pm

a abundante vida vegetal do nosso planeta é armazenadora da energia solar e de substâncias químicas, sendo um recurso renovável que chamamos de biomassa. assim, todos os organismos biológicos que podem ser aproveitados como fontes de energia, são chamados de biomassa: a cana-de-açúcar, o eucalipto, a beterraba (dos quais se extrai álcool), o biogás (produzido pela biodegradação anaeróbica existente no lixo e dejectos orgânicos), lenha e carvão vegetal, alguns óleos vegetais (amendoim, soja, dendê), etc.
a biomassa é formada pela combinação de dióxido de carbono da atmosfera e água na fotossíntese clorofiliana, que produz os hidratos de carbono - a energia solar é armazenada nas ligações químicas dos componentes estruturais da biomassa. se a biomassa for queimada de modo eficiente, há produção de dióxido de carbono e água. portanto, o processo é cíclico e dizemos que a biomassa é um recurso renovável.
a composição química da biomassa é:


by http://www.rredc.nrel.gov/biomass/

as principais fontes de energia do século xxi provavelmente serão de origem biológica, produzidas a partir da biotecnologia. actualmente, responde por 1% da energia eléctrica mundial, mas calcula-se que daqui a vinte anos cerca de 30% do total de energia consumido pela humanidade será proveniente da biomassa. além de agrupar várias opções como queima de madeira, carvão vegetal e o processamento industrial de celulose e bagaço de cana-de-açúcar, inclui o uso do álcool como combustível.
veja mais sobre o uso do álcool no brasil


prós: aproveita restos, reduzindo o desperdício. o álcool tem eficiência equivalente à da gasolina como combustível para automóveis.
contras: o uso em larga escala na geração de energia da biomassa esbarra nos limites da sazonalidade. a produção de energia cai no período de entre safra. dependendo de como se queima, pode ser muito poluente.

http://www.soaresoliveira.br/projetoenergia.em/
"ECOnomia também pode ser ECOlogia"
Sócio ANE Nº 16

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Tó Miguel
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 3727
Registado: terça mai 30, 2006 8:19 pm
Localização: Montijo/PORTUGAL
Contacto:
Estado: Desligado

USINAS TERMELÉTRICAS E BIOGÁS

Mensagem por Tó Miguel » domingo nov 12, 2006 10:29 pm

usinas termelétricas

o brasil possui um enorme potencial de fontes de biomassa: bagaço de cana, resíduos agrícolas, aparas de madeira, esgoto e lixo... a maior parte é queimada a céu aberto, gerando poluição ambiental. entretanto, há algumas iniciativas importantes que surgiram nos últimos anos: a co-geração de termoeléctricas, como se faz na região de ribeirão preto, onde a queima do bagaço de cana é usada para produzir vapor a alta pressão, que faz rodar uma turbina, gerando electricidade; com a expansão, a pressão do vapor baixa e ele pode ser empregado no processo industrial da usina - desse modo, a mesma fonte de combustível atende a duas finalidades: produz o vapor e a energia eléctrica. o gráfico abaixo demonstra como a oferta de electricidade pode aumentar, se o governo aceitar planos alternativos apresentados por pesquisadores da usp:

by http://www.galileuon.com.br/

biogás

usinas de processamento do lixo e esgoto, para produção de biogás são também iniciativas importantes para a produção de energia.
atribui-se o nome de biogás à mistura gasosa, combustível, resultante da fermentação anaeróbica da matéria orgânica. sua composição química é:

metano (ch4) 50 a 75%
dióxido de carbono (co2) 25 a 40%
hidrogênio (h2) 1 a 3%
oxigênio (o2) 0,1 a 1%
sulfeto de hidrogênio (h2s) 0,1 a 0,5%
amoníaco (nh3) 0,1 a 0,5%
monóxido de carbono (co) 0 a 0,1%
água (h2o) variável

estes processos de fermentação anaeróbica que produzem metano e outros gases, foram sempre usados pelo homem para tratamento de esgotos, nos sistemas chamados fossas sépticas. nos países desenvolvidos, no final do século passado, surgiram os chamados biodigestores, para a produção de biogás a partir de lixo e esgoto.
o biogás, um combustível renovável, será uma alternativa importante, pois solucionará o fornecimento de energia no meio rural e urbano, eliminando custos, consumindo lixo e esgoto, fontes de bactérias, bacilos, parasitas, etc.
principais usos do biogás: fogão doméstico, geladeira, lampião, chocadeiras, secadores de grãos, combustível de motores de carro, ônibus, geração de energia eléctrica, etc...

http://www.soaresoliveira.br/projetoenergia.em/
"ECOnomia também pode ser ECOlogia"
Sócio ANE Nº 16

Avatar do Utilizador

serges
Administrador
Administrador
Mensagens: 15332
Registado: quinta mar 09, 2006 7:15 pm
Localização: Amadora
Estado: Desligado

Mensagem por serges » domingo nov 12, 2006 11:49 pm

mais uma vez uma participação exemplar em partilhar estas informações...
40595 a bordo de uma Vectrix.
Procuro pontos de carga para veículos eléctricos, contacte-me! 915001177
Mapa dos pontos de carga

Avatar do Utilizador

Sa
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 237
Registado: quarta set 13, 2006 11:51 am
Localização: BERÇO DO LEITÃO À BAIRRADA
Estado: Desligado

Mensagem por Sa » segunda nov 13, 2006 3:46 pm

boas
bom trabalho.

Responder

Voltar para “Geral”