Página 1 de 2

autoconsumo trifásico

Enviado: sábado jan 19, 2019 12:36 pm
por Filipepacheco
Boa tarde
Estou a começar a estudar as soluções de auto-consumo no mercado.
Já li alguns posts e fiquei logo com umas duvidas relativamente ao aproveitamento de energia quando se tem um contador trifásico.
Tenho sempre um consumo basal nas 3 fases juntas de 1000-1200 watt durante o dia e para já estava interessado num sistema de auto-consumo ate 1500watt sem injecção na rede.
O grande problema aqui é ter as 3 fases. Pelo que percebi os inversores trifásicos dividem a energia produzida igualmente pelas 3 fases e que diminui o aproveitamento porque posso ter uma fase a consumir mais que outra.
Li também sobre a solução de ter 3 micro inversores mas penso que não resolve o problema da imprevisibilidade do consumo entre fases
Alguns posts já são antigos. Sera que já há alguma solução que distribua a energia produzida pelas 3 fases de forma inteligente?
Também não sei se esta energia podia ser distribuida antes do inversor. se calhar isto nem faz sentido. mas a ideia era ter por exemplo inversores ligados em serie. Se a energia não fosse consumida num microinversor ligado a uma fase passava para o microinversor seguinte ligado a outra fase.

Muito obrigado pelos comentários

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: sábado jan 19, 2019 4:10 pm
por t3lmo
Já existem várias soluções no mercado para auto-consumo trifásico com inversores destinados a essa função.

O balanceamento de produção/consumo entre fases é desnecessário muitas vezes pois a contabilização dos consumos totais é a soma nas fases (não pagas kWh consumidos por fase mas com o total destas), ora se injetas excesso de produção numa fase e consomes noutra, o resultado de kWh total no contador do distribuidor (a pagar) é o somatório das partes, equilibrando o rácio desequilibrado do consumo/produção.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: domingo jan 20, 2019 3:11 pm
por Quintas2
t3lmo Escreveu:
sábado jan 19, 2019 4:10 pm
Já existem várias soluções no mercado para auto-consumo trifásico com inversores destinados a essa função.

O balanceamento de produção/consumo entre fases é desnecessário muitas vezes pois a contabilização dos consumos totais é a soma nas fases (não pagas kWh consumidos por fase mas com o total destas), ora se injetas excesso de produção numa fase e consomes noutra, o resultado de kWh total no contador do distribuidor (a pagar) é o somatório das partes, equilibrando o rácio desequilibrado do consumo/produção.
Podes indicar essas soluções? Eu também estaria interessado.

Se entendi o que quiseste dizer, estou em desacordo. Isso só será assim num contador analógico que ande para trás, em que o contador só assumirá um consumo a pagar se o somatório das três fases assim o ditar.

Num contador digital, podes estar a injetar na rede numa fase mais do que o que estás a consumir nas outras duas fases, que ele vai sempre ter em conta apenas o que estás a consumir e somar isso à conta a pagar, independentemente do que estás a injetar na primeira fase.
Filipepacheco Escreveu:
sábado jan 19, 2019 12:36 pm
Boa tarde
Estou a começar a estudar as soluções de auto-consumo no mercado.
Já li alguns posts e fiquei logo com umas duvidas relativamente ao aproveitamento de energia quando se tem um contador trifásico.
Tenho sempre um consumo basal nas 3 fases juntas de 1000-1200 watt durante o dia e para já estava interessado num sistema de auto-consumo ate 1500watt sem injecção na rede.
O grande problema aqui é ter as 3 fases. Pelo que percebi os inversores trifásicos dividem a energia produzida igualmente pelas 3 fases e que diminui o aproveitamento porque posso ter uma fase a consumir mais que outra.
Li também sobre a solução de ter 3 micro inversores mas penso que não resolve o problema da imprevisibilidade do consumo entre fases
Alguns posts já são antigos. Sera que já há alguma solução que distribua a energia produzida pelas 3 fases de forma inteligente?
Também não sei se esta energia podia ser distribuida antes do inversor. se calhar isto nem faz sentido. mas a ideia era ter por exemplo inversores ligados em serie. Se a energia não fosse consumida num microinversor ligado a uma fase passava para o microinversor seguinte ligado a outra fase.

Muito obrigado pelos comentários
Tanto quanto conheço, todos os inversores trifásicos distribuem a produção de forma igual pelas três fases. Os inversores solares foram criados numa perspetiva de venda total da produção à rede, antes de se vulgarizar o autoconsumo, pelo que a estratégia de divisão pelas três fases era ideal, sob dois aspetos: primeiro, evitando um desequilíbrio da rede, dividindo a injeção pelas 3 fases, em vez de injetar mais numa só fase; segundo porque, ao dividir a produção pelas três fases, evitava alguns problemas localizados de excesso de produção injetada numa só fase, que podia até fazer o inversor desligar-se temporariamente, com prejuízo para quem produzia.
Já com o autoconsumo vulgarizado, continuo a desconhecer inversores trifásicos não balanceados. Mesmo o APS YC-1000-3, não sei porquê designado como o primeiro inversor verdadeiramente trifásico, tem a produção balanceada pelas 3 fases.

Quanto à possível solução que mencionas, não te sei responder, nem tenho conhecimentos de eletricidade/eletrónica para isso. Mas acredito que não será uma solução viável (mesmo que tecnicamente possível), pelo simples facto de não existir no mercado (mas há sempre uma primeira vez).

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: domingo jan 20, 2019 9:41 pm
por t3lmo
As soluções mais em conta que conheço são da Solarimpact: https://loja.solarimpact.pt/tabela-precos-autoconsumo-1

Relativamente ao que comentei, falo somente da minha experiência, pois desde há 2 anos que tenho 6 painéis com 6 microinversores em que cada 2 injeta numa fase, e quando no pico solar uma fase está a consumir muito (ionização da piscina) e as outras 2 estão a receber injeção da produção, o contador digital não conta consumo em casa, e é dos mais recentes pois foi alterado após a MCP da instalação ao SERUP.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: segunda jan 21, 2019 11:59 am
por pedrosilva
Qual a marca/modelo do contador?

Espero que esta forma de contagem (soma do consumo instantâneo líquido nas 3 fases) seja parte de uma obrigação/especificação de algum regulamento europeu, caso contrário temo que a EDP mexa nisto.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: segunda jan 21, 2019 12:30 pm
por Quintas2
t3lmo Escreveu:
domingo jan 20, 2019 9:41 pm
As soluções mais em conta que conheço são da Solarimpact: https://loja.solarimpact.pt/tabela-precos-autoconsumo-1

Relativamente ao que comentei, falo somente da minha experiência, pois desde há 2 anos que tenho 6 painéis com 6 microinversores em que cada 2 injeta numa fase, e quando no pico solar uma fase está a consumir muito (ionização da piscina) e as outras 2 estão a receber injeção da produção, o contador digital não conta consumo em casa, e é dos mais recentes pois foi alterado após a MCP da instalação ao SERUP.
É uma boa notícia que nos dás, pelo menos em relação ao teu contador.
Não foi essa a informação que obtive, antes de instalar, de contactos que fiz quer com a EDP, quer com a Solarimpact. Fui aconselhado a concentrar consumos na(s) fase(s) em que tivesse produção fotovoltaica. Se a generalidade dos contadores funcionassem como o teu, isso não deveria ser necessário.

De qualquer forma, contadores inteligentes têm acesso remoto. Logo, eles podem alterar o firmware se/quando quiserem, à distância, sem que o consumidor dê por isso. Talvez não fosse pior verificares de vez em quando se o funcionamento se mantém na mesma.

Neste artigo (Austrália) falam de um caso parecido, mas relacionado com contas do que é consumido/vendido - não é feito balanço das três fases e é contabilizado a venda de excedentes numa fase a 0.08 e a compra do consumo nas outras duas fases a 0.35. Contudo, nos comentários ao artigo, há quem diga que isso não é verdade.
https://reneweconomy.com.au/3-phase-tri ... lds-17282/
Quanto às soluções da Solarimpact, elas apenas podem evitar a injeção na rede, não garantir uma conta pela média das 3 fases.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: terça jan 22, 2019 5:14 pm
por Filipepacheco
E os kits injeçao zero como funcionam?
Nao daria por exemplo para ter o inversor ligado a uma fase e depois em situacao de excesso de producao para o consumo dessa fase ele desvia esse excesso para outra fase e depois sucessivamente para a terceira

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: quarta jan 23, 2019 12:51 am
por t3lmo
Injeção zero pressupõe limitar ou gastar a energia produzida em excesso, usualmente com um sistema híbrido com um banco de baterias ou até uma resistência térmica.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: quarta jan 23, 2019 3:54 pm
por Filipepacheco
Já vi que o solar x3 hybrid faz o que pretendo. Pena o preço :)
Obrigado pela ajuda

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: quarta jan 23, 2019 5:02 pm
por Patalhetas
Boas,
Posso adiantar que uma solução trifasica com baterias de acumulação de cerca de 20kw ( vida útil de 10anos mínimo) e injeção 0 na edp sem contabilizar os painéis podes contar sempre com 10k€ ... as soluções existem ... mas tem um preço


Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: quarta jan 23, 2019 9:56 pm
por Arcturo
Quintas2 Escreveu:
segunda jan 21, 2019 12:30 pm
t3lmo Escreveu:
domingo jan 20, 2019 9:41 pm
As soluções mais em conta que conheço são da Solarimpact: https://loja.solarimpact.pt/tabela-precos-autoconsumo-1

Relativamente ao que comentei, falo somente da minha experiência, pois desde há 2 anos que tenho 6 painéis com 6 microinversores em que cada 2 injeta numa fase, e quando no pico solar uma fase está a consumir muito (ionização da piscina) e as outras 2 estão a receber injeção da produção, o contador digital não conta consumo em casa, e é dos mais recentes pois foi alterado após a MCP da instalação ao SERUP.
É uma boa notícia que nos dás, pelo menos em relação ao teu contador.
Não foi essa a informação que obtive, antes de instalar, de contactos que fiz quer com a EDP, quer com a Solarimpact. Fui aconselhado a concentrar consumos na(s) fase(s) em que tivesse produção fotovoltaica. Se a generalidade dos contadores funcionassem como o teu, isso não deveria ser necessário.

De qualquer forma, contadores inteligentes têm acesso remoto. Logo, eles podem alterar o firmware se/quando quiserem, à distância, sem que o consumidor dê por isso. Talvez não fosse pior verificares de vez em quando se o funcionamento se mantém na mesma.

Neste artigo (Austrália) falam de um caso parecido, mas relacionado com contas do que é consumido/vendido - não é feito balanço das três fases e é contabilizado a venda de excedentes numa fase a 0.08 e a compra do consumo nas outras duas fases a 0.35. Contudo, nos comentários ao artigo, há quem diga que isso não é verdade.
https://reneweconomy.com.au/3-phase-tri ... lds-17282/
Quanto às soluções da Solarimpact, elas apenas podem evitar a injeção na rede, não garantir uma conta pela média das 3 fases.

Nao entendo bem a forma como este assunto está explicado. Actualmente em Portugal a contagem de energia faz-se em 2 registos independentes, o registo A+ que mede o consumo e o registo A- que mede a injeccao. Nunca são somados. Imaginem o seguinte caso:

- Tenho um forno que consome 3 kW monofasico na fase R
- O sistema solar está a produzir atraves de um inversor trifasico 3 kW. Ou seja, injecta 1 kW na fase R, 1 kW na fase S e 1 kW na fase T
- Não há outros consumos em casa

Teoricamente o consumo é igual à produção - estou a produzir 3 e a consumir 3. Mas o que o contador mede é: Fase R consumo 2 kW, Fase S injeccao 1 kW e fase T injecção 1 kW. Conclusão, o que é medido é consumo 2 e injeccao 2.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: quinta jan 24, 2019 7:39 am
por Quintas2
Certo. Mas o que está aqui em questão é o que é faturado ao cliente. Pela informação que me deram antes de eu instalar fotovoltaico, o cliente vai pagar os 2kWh do teu exemplo, mesmo tendo injetado 2kWh.
Segundo o que entendi da explicação do t3lmo, o contador faz o balanço e o cliente não paga nada, pois o balanço é zero.

A tua explicação parece-me ir de encontro ao meu entendimento inicial, pois mede um consumo de 2kWh, logo a pagar, e uma injeção de 2kWh, exportada a custo zero. É isso?

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: quinta jan 24, 2019 8:33 am
por Arcturo
E isso mesmo. Como não há balanço no contador a energia consumida de 2 kWh vai ser cobrado ao cliente e nunca se desconta o que é injectada. A explicação do Telmo está em contradição com isto. Telmo, podes confirmar?

Este problema é pouco importante agora porque os sistemas são pequenos. Mas quando o armazenamento começar a vingar no mercado, esta maneira de contar energia inviabiliza economicamente os sistemas de armazenamento em instalações trifasicas.

Está em curso agora uma consulta pública da erse sobre o regulamento das redes inteligentes. É uma boa oportunidade de fazer comentários que corrijam esta questão. O fórum podia organizar uma resposta concertada?

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: sexta jan 25, 2019 9:27 am
por microbrain
Depende dos contadores, eu mudei para monofasico por isso mesmo, se injetasse 1000w numa fase apenas com a casa a consumir 800w distribuidos pelas 3, o contador contava as outras duas e apenas anulava o consumo da fase que estava ligada ao inversor.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: sexta jan 25, 2019 7:05 pm
por Filipepacheco
Eu ainda ando a estudar isto ha pouco tempo mas nunca pensei que o trifásico fosse complicar e encarecer tanto o investimento.
Pensei que da mesma maneira que no monofasico o controlador desvia a energia que nao esta a ser consumida para a bateria, poderia haver um sistema do genero onde a energia que nao é consumida na fase 1 fosse para a fase 2 e depois desta para a fase 3 e finalmente terminava na bateria, na rede ou num termoacumulador

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: sábado jan 26, 2019 2:24 pm
por Quintas2
Filipepacheco Escreveu:
sexta jan 25, 2019 7:05 pm
Eu ainda ando a estudar isto ha pouco tempo mas nunca pensei que o trifásico fosse complicar e encarecer tanto o investimento.
Pensei que da mesma maneira que no monofasico o controlador desvia a energia que nao esta a ser consumida para a bateria, poderia haver um sistema do genero onde a energia que nao é consumida na fase 1 fosse para a fase 2 e depois desta para a fase 3 e finalmente terminava na bateria, na rede ou num termoacumulador
Eu percebo muito pouco de eletricidade, mas a minha intuição, apenas por olhar para um gráfico de corrente trifásica
Corrente Trifásica.PNG
Corrente Trifásica.PNG (38.39 KiB) Visto 1190 vezes
diz-me que, após convertida a corrente em alternada, não será possível passar de uma fase para outra. Isto porque as três fases estão desfasadas. Imaginemos que num dado instante tínhamos corrente na fase preta no ponto +1. Deixando de ter consumo nessa fase, queríamos instantaneamente desviar para a fase azul, que está com valor -0.5. Não estou a ver como é que isso se faria. Pior seria com consumos constantemente intermitentes.

Assim, só me parece viável fazer essa transição de uma para outra fase antes de convertida a corrente em alternada. Seria preciso um sistema que dividisse continuamente de forma não balanceada a corrente contínua pelas três fases, em função da demanda da corrente alternada. Um sistema destes não teria um enorme desgaste? Para responder a variações contínuas da demanda nas 3 fases, seria possível fazer isso em tempo útil para satisfazer a variação dessa demanda nas 3 fases?

Mas isto é só a minha intuição. Quem perceba do assunto talvez possa trazer alguma luz.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: domingo jan 27, 2019 12:07 am
por Filipepacheco
Quintas2 Escreveu:
sábado jan 26, 2019 2:24 pm
Filipepacheco Escreveu:
sexta jan 25, 2019 7:05 pm
Eu ainda ando a estudar isto ha pouco tempo mas nunca pensei que o trifásico fosse complicar e encarecer tanto o investimento.
Pensei que da mesma maneira que no monofasico o controlador desvia a energia que nao esta a ser consumida para a bateria, poderia haver um sistema do genero onde a energia que nao é consumida na fase 1 fosse para a fase 2 e depois desta para a fase 3 e finalmente terminava na bateria, na rede ou num termoacumulador
Eu percebo muito pouco de eletricidade, mas a minha intuição, apenas por olhar para um gráfico de corrente trifásica
Corrente Trifásica.PNG
diz-me que, após convertida a corrente em alternada, não será possível passar de uma fase para outra. Isto porque as três fases estão desfasadas. Imaginemos que num dado instante tínhamos corrente na fase preta no ponto +1. Deixando de ter consumo nessa fase, queríamos instantaneamente desviar para a fase azul, que está com valor -0.5. Não estou a ver como é que isso se faria. Pior seria com consumos constantemente intermitentes.

Assim, só me parece viável fazer essa transição de uma para outra fase antes de convertida a corrente em alternada. Seria preciso um sistema que dividisse continuamente de forma não balanceada a corrente contínua pelas três fases, em função da demanda da corrente alternada. Um sistema destes não teria um enorme desgaste? Para responder a variações contínuas da demanda nas 3 fases, seria possível fazer isso em tempo útil para satisfazer a variação dessa demanda nas 3 fases?

Mas isto é só a minha intuição. Quem perceba do assunto talvez possa trazer alguma luz.
E se a energia que sobrasse do primeiro inverter fosse convertida em DC antes de entrar noutro inverter ligado à fase seguinte?

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: domingo jan 27, 2019 12:16 am
por Arcturo
Caros, o problema esta na forma como se conta a energia. Os contadores contam energia em 2 registos, bastava existir um terceiro que que fosse o resultado da soma do registo de consumo e do registo de injeccao.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: domingo jan 27, 2019 3:16 pm
por Quintas2
Parece-me que o melhor que se pode conseguir é um inversor trifásico que ajuste a injeção por fase (até ao seu valor máximo nominal por fase), por forma a aproximar-se da exportação zero. Tipo este all-in-one (um faz tudo):
https://imeon-energy.com/wp-content/upl ... verter.pdf
https://imeon-energy.co.uk/type-en/smar ... per-phase/
https://imeon-energy.co.uk/accessory-en ... art-meter/

Só o inversor custa €4400. Para funcionar nesses moldes, precisa do smart meter e, muito provavelmente, das baterias, para melhor aproveitar o excesso de produção.

O mesmo fabricante disponibiliza um sistema de inversor monofásico que compensa os consumos em 3 fases (???): https://imeon-energy.co.uk/type-en/smar ... tallation/.
Vou aguardar pelos esclarecimentos que lhes pedi.

Re: autoconsumo trifásico

Enviado: segunda jan 28, 2019 1:01 pm
por Quintas2
@Arcturo
Arcturo Escreveu:
quinta jan 24, 2019 8:33 am
Está em curso agora uma consulta pública da erse sobre o regulamento das redes inteligentes. É uma boa oportunidade de fazer comentários que corrijam esta questão. O fórum podia organizar uma resposta concertada?
Já consegui ler a proposta da ERSE. Não acho que um comentário relativo à forma de contabilização da energia consumida/exportada seja do âmbito desse regulamento. Quando muito, seria do âmbito do GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS, em vigor.

Mas, mesmo em relação a este Guia, não me parece que que seja do âmbito dele sem primeiro haver uma decisão, que eu diria mais política do que técnica, nesse sentido, talvez emanada da DGEG, que a ERSE depois teria que integrar nestes Guias/Regulamentos.

Claro que pudemos sempre participar na consulta pública. Mal não faz e alerta-se para o assunto. Queres sugerir um texto?


Em relação ao regulamento em consulta pública, só vejo a possibilidade de comentar o

Artigo 28.º Serviço de acesso à porta série de comunicação do equipamento de medição
Nos casos em que o acesso à porta série de comunicação do equipamento de medição requeira a desselagem e a resselagem da tampa de terminais, devem os ORD BT prestar esses serviços sempre que o cliente os solicite, diretamente ou através do respetivo comercializador.


com o seguinte:
- Os ORD BT devem disponibilizar ao cliente informação sobre a forma como podem requerer o acesso à porta série de comunicação do equipamento de medição.
- Deve ser previsto um prazo para os ORD BT prestarem esse serviço ao cliente, a contar da data de receção do pedido do cliente.
- Deve ser prevista uma compensação ao cliente, no caso do ORD BT não cumprir o prazo do parágrafo anterior.