Mecânica dos Magnetos

Energia Magnética / Perpétua
Gearbest Banner



Responder

Aless
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 170
Registado: sexta ago 19, 2011 7:02 pm
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por Aless » segunda abr 17, 2017 3:29 am

vinato Escreveu:
segunda abr 17, 2017 3:24 am
O sistema solar é um moto perpétuo, até que dure (não é eterno)

A órbita da Lua sofre alterações o tempo todo porque o sistema Terra-Lua perde energia continuamente para as marés terrestres.
A consequência é que a Lua vai se afastando cada vez mais da Terra, mostrando, por exemplo, que este sub-sistema do sistema Solar não é um moto-perpétuo.

Não vou perder mais tempo com isso porque é impossível explicar certas coisas ao Vinato...


GoogleAds
Membro
Membro
Mensagens: 99999+
Registado: sabado jan 01, 2000 00:01 am
Estado:Ligado



Rodas730
Membro
Membro
Mensagens: 9
Registado: sábado out 22, 2011 8:15 pm
Localização: Fig da Foz
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por Rodas730 » segunda abr 17, 2017 10:39 am

É preciso ter um conhecimento razoável para fazer um projeto em condições. Infelizmente ele ignora esse conhecimento e nem tens viáveis consegue fazer.
Ainda por cima tenta angariar dinheiro para um projeto que já está morto a muito.

Enviado do meu SM-G930F através de Tapatalk


Avatar do Utilizador

Autor do tópico
vinato
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 427
Registado: quinta fev 14, 2013 4:20 pm
Localização: Taubaté/SP/Brasil
Contacto:
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por vinato » segunda abr 17, 2017 1:52 pm

Meu sonho é simples
Cuidar do meu filho...
Montar o meu próprio negócio e ser auto suficiente.
A história de Elisabeth

Se você levantar do chão uma caixa e atravessar a rua com ela, vai
usar uma grande quantidade de energia.
Mas se você colocar rodas na caixa, e
apenas dar-lhe um movimento, a energia que você usará para mover a mesma carga é muito menor.
E isso é o que nós fazemos, nós aumentamos a velocidade com motor elétrico para manter o giro, vitalizando a rotação.
O que fazemos é extrair a energia dos imãs.
Extraímos energia cinética de campos magnéticos.
Usamos a inércia criada no sistema para gerar energia elétrica.
Para isso usamos um sistema de alta velocidade de impulso.

Energia é um recurso básico.Tem que ter livre

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
vinato
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 427
Registado: quinta fev 14, 2013 4:20 pm
Localização: Taubaté/SP/Brasil
Contacto:
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por vinato » terça abr 18, 2017 7:21 pm

Faço divagações sobre o sistema solar ou o Universo, sobre princípios técnicos ou conceitos científicos, mas não quero com isto perder o foco sobre o que realmente interessa e já, preocupa.
Nos interessa desenvolver o motor auto suficiente, que não consegue se colocar no mercado, devido a ameaças e crimes cometidos, provocados por interesses financeiros.

Vamos continuar procurando, e mostrando caminhos
https://www.youtube.com/watch?v=aahOYKLI9fY
Aless Escreveu:
segunda abr 17, 2017 3:05 am
Devia ser óbvio que para coletar e distribuir energia elétrica é necessária toda uma infraestrutura que custa dinheiro.

O risco é de quem investe.
Não interessa a infraestrutura utilizada nem o investimento de quem quer que seja.


Antes de querer angariar dinheiro, a intenção é divulgar princípio técnico, que mostra ser possível desenvolver um motor inteligente, que traria desenvolvimento nos libertando desta cultura mesquinha e canibalesca.
Rodas730 Escreveu:
segunda abr 17, 2017 10:39 am
Ainda por cima tenta angariar dinheiro
NÃO VAMOS DESISTIR
Energia é um recurso básico. Tem que ter livre
Última edição por vinato em quarta abr 19, 2017 10:33 am, editado 1 vez no total.


gpsvitor
Membro Dedicado
Membro Dedicado
Mensagens: 99
Registado: quarta nov 02, 2016 12:55 pm
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por gpsvitor » quarta abr 19, 2017 7:35 am

Olá a todos os participantes neste tópico.......
Tenho que ser sincero, não li todos os posts (se calhar devia). Mas a ideia original parece me um dispositivo (motor/gerador etc) capaz de produzir mais do que entra (falando de energia elétrica)... Para iniciar a minha intervenção diria o seguinte... Os Mercedes antigos duravam um "vida" (infelizmente literalmente para alguns) e na boca de alguns uma "eternidade"... Todos acho que todos nós consideramos que eterno eterno só mesmo as ondas do mar ou o sol, coisas desse gênero (digo eu)...

Agora vamos ao disposto (ou geringonça, politicamente falando ).

Pela minha experiência pessoal:
motores para girar coisas - fail

E passo a explicar basicamente, o pico captado (e armazenado em condensadores) é inferior a energia gasta para o processo... Isto testado com voltagens baixas/altas... Mesmo depois de ter melhorado a eficiência do motor. (Melhorar isto é + RPM e torque mesma entrada)
Na altura fiz contas e era por uma enorme diferença...
Não nego que alguém consiga mas eu não consegui assim.
Se tenho outras ideias para fazer isso?
Tenho... Se irá funcionar? Talvez... Em que baseio as ideias?
Num estudo feito em uma universidade qualquer em que conseguiram fazer um ímã "passear" sozinho num trilho... (Sem uso de energia elétrica)

Esse sistema foi idealizado para ser usado naquele tipo de comboios que "pairam" no ar...




Enviado do meu FEVER através de Tapatalk



Avatar do Utilizador

Autor do tópico
vinato
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 427
Registado: quinta fev 14, 2013 4:20 pm
Localização: Taubaté/SP/Brasil
Contacto:
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por vinato » quarta abr 19, 2017 11:55 am

Desde que comecei a falar sobre este dispositivo, baseado em resultados parciais e preliminares, estive convencido da eficiência.
É óbvio que beneficiaria qualquer um.
Aless Escreveu:
segunda abr 17, 2017 3:05 am
Devia ser óbvio que para coletar (como quer o Vinato) e distribuir energia elétrica é necessária toda uma infraestrutura que custa dinheiro.
Isto não dá o direito a ninguém constranger, amedrontar ou assassinar alguém.
Aquele que queira investir, assuma o risco.

Este tópico defende o motor auto sustentável.
Custou-nos tempo e dinheiro para desenvolver este princípio técnico.

NÃO VAMOS DESISTIR
Energia é um recurso básico. Tem que ter livre
Alinhamos gerador Suzuki 2200 W ao eixo. Rodando em baixa rotação, com motor elétrico 1/2 CV 8,6 A 110 V (e conjunto de volante e estator magnéticos) a 1770 RPM não gera energia. Buscamos motor mais rápido. Destes 2200 W, pretendemos tirar 1000 p/ um motor de 3600 RPM e provar. De opiniões estamos cheios. Queremos provas

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
vinato
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 427
Registado: quinta fev 14, 2013 4:20 pm
Localização: Taubaté/SP/Brasil
Contacto:
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por vinato » sábado abr 22, 2017 11:54 am

Afinal, são legítimos, os dispositivos de energia livre
O Capitalismo vai na contra mão negando soluções.
Cultura canibalesca, insiste em manter tecnologia ultrapassada em nome do privilégio de alguns.
Venho falando de utilização de motor magnético energizado para gerar energia há alguns anos. Mas, é solução que já existe há décadas.

Carta para as futuras gerações, por Ilya Prigogine

Acredito que Richard Tarnes esteja certo:

''A paixão mais profunda da alma ocidental é redescobrir a unidade com as raízes de seu ser''.

Essa paixão leva à afirmação prometéica do poder da razão, mas a razão pode também conduzir à alienação, a uma negação daquilo que dá valor e significado á vida. Cabe às futuras gerações construir uma nova coerência que incorpore tanto os valores humanos quanto a ciência, algo que ponha fim às profecias quanto ao ''fim da ciência'', ''fim da história" ou quanto ao advento da ''pós-humanidade''.

IIya Prigogine é cientista de origem russa, nascido em Moscou, em 1917. Vive na Bélgica desde os 12 anos. Em 1977, recebeu o Prêmio Nobel de Química. É autor de O Fim das certezas (Ed. Unespi e A Nova Aliança (Ed. UnB), entre outros.

para o Caderno Mais!, da FSP, de 30/01/2000

Escrevo esta carta na mais completa humildade. Meu trabalho é no domínio da ciência. Não me da qualquer qualificação especial para falar sobre o futuro da humanidade. As moléculas obedecem a ''leis". As decisões humanas dependem das lembranças do passado e das expectativas para o futuro. A perspectiva sob a qual vejo o problema da transição da cultura da guerra para uma cultura de paz - para usar a expressão de Federico Mayor - se obscureceu nos últimos anos, mas continuo otimista.

De qualquer forma, como poderia um homem da minha geração - nasci em 1917- não ser otimista? Não vimos o fim de monstros como Hitler e Stalin? Não testemunhamos a miraculosa vitória das democracias na Segunda Guerra Mundial? No final da guerra, todos nós acreditávamos que a História recomeçaria do zero, e os acontecimentos justificaram esse otimismo.

Os marcos da era incluem a fundação da Organização das Nações Unidas e da Unesco, a proclamação dos direitos do homem e a descolonização. Em termos mais gerais, houve o reconhecimento das culturas não européias, do qual derivou uma queda do eurocentrismo e da suposta desigualdade entre os povos "civilizados e os ''não-civilizados". Houve também uma redução na distância entre as classes sociais, pelo menos nos países ocidentais.

Esse progresso foi conquistado sob a ameaça da Guerra Fria. No momento da queda do Muro de Berlim, começamos a acreditar que enfim seria realizada a transição da cultura da guerra para a cultura da paz. No entanto a década que se seguiu não tomou esse rumo. Testemunhamos a persistência, e até mesmo a ampliação, dos conflitos locais, quer sejam na África, quer nos Bálcãs. Isso pode ser considerado, ainda, como um resultado da sobrevivência do passado no presente. No entanto, além da ameaça nuclear sempre presente, novas sombras apareceram: o progresso tecnológico agora torna possível guerras travadas premindo botões, semelhantes de alguma forma a um jogo eletrônico.

Sou uma das pessoas que ajudaram a formular as políticas científicas da União Européia. A ciência une os povos. Criou uma linguagem universal. Muitas outras disciplinas, como a economia e a ecologia, também requerem cooperação internacional. Fico, por isso, ainda mais atônito quando percebo que os governos estão tentando criar um exército europeu como expressão da unidade da Europa. Um exército contra quem? Onde está o inimigo? Por que esse crescimento constante nos orçamentos militares, quer na Europa, quer nos Estados Unidos? Cabe às futuras gerações tomar uma posição sobre isso. Na nossa era, e isso será cada vez mais verdade no futuro, as coisas estão mudando a uma velocidade jamais vista. Vou usar um exemplo científico.

Quarenta anos atrás, o número de cientistas interessados na física de estado sólido e na tecnologia da informação não passava de umas poucas centenas. Era uma "flutuação", quando comparado às ciências como um todo. Hoje, essas disciplinas se tornaram tão importantes que têm consequências decisivas para a história da humanidade.

Crescimento exponencial foi registrado no número de pesquisadores envolvidos nesse setor da ciência. E um fenômeno de proporção sem precedentes, que deixou muito para trás o crescimento do budismo e do cristianismo.

Em minha mensagem às futuras gerações, gostaria de propor argumentos com o objetivo de lutar contra os sentimentos de resignação ou impotência. As recentes ciências da complexidade negam o determinismo; insistem na criatividade em todos os níveis da natureza. O futuro não é dado.

O grande historiador francês Fernand Braudel escreveu: ''Eventos são poeira". Isso é verdade? O que é um evento? Uma analogia com ''bifurcações", estudadas na física do não equilíbrio, surge imediatamente. Essas bifurcações aparecem em pontos especiais nos quais a trajetória seguida por um sistema se subdivide em ramos". Todos os ramos são possíveis, mas só um deles será seguido. No geral não se vê apenas uma bifurcação. Elas tendem a surgir em sucessão. Isso significa que até mesmo nas ciências fundamentais há um elemento temporal, narrativo, e isso constitui o "fim da certeza", o título do meu último livro. O mundo está em construção e todos podemos participar dela.

Metáforas úteis Como escreveu Immanuel Wallerstein: ''É possível - possível, mas não certo - criar ou construir um mundo mais humano e igualitário, melhor ancorado no racionalismo material". Flutuações do nível microscópico decidem que ramo emergirá em cada ponto de bifurcação, e portanto que evento acontecerá. O apelo às ciências da complexidade não significa que estejamos sugerindo que as ciências humanas sejam "reduzidas" à física. Nossa empreitada não é de redução, mas de reconciliação. Conceitos introduzidos das ciências da complexidade podem servir como metáforas muito mais úteis do que o tradicional apelo a metáforas newtonianas.

As ciências da complexidade, assim, conduzem a uma metáfora que pode ser aplicada à sociedade: um evento é a aparição de uma nova estrutura social depois de uma bifurcação; flutuações São o resultado de ações individuais.

Todo evento tem uma ''microestrutura''. Tomemos um exemplo histórico a Revolução Russa de 1917. 0 fim do regime czarista poderia ter tomado diferentes formas, e o ramo seguido resultou de diversos fatores, tais como a falta de previsão do czar, a impopularidade de sua mulher, a debilidade de Kerensky, a violência de Lênin. Foi essa microestrutura, essa flutuação, que determinou o desfecho da crise e, assim, os eventos que a ela se seguiram.

Desse ponto de vista, a história é uma sucessão de bifurcações. Um exemplo fascinante de como isso transcorre é a transição da era paleolítica para a neolítica, que aconteceu praticamente no mesmo período em todo o mundo (esse fato é ainda mais surpreendente dada a longa duração da era paleolítica). A transição parece ter sido uma bifurcação ligada a uma exploração mais sistemática dos recursos minerais e vegetais. Muitos ramos emergiram dessa bifurcação: o período neolítico chinês, com sua visão cósmica, por exemplo, o neolítico egípcio, com sua confiança nos deuses, ou o ansioso período neolítico do mundo pré-colombiano.

Toda bifurcação tem beneficiários e vítimas. A transição para a era neolítica trouxe a ascensão de sociedades hierárquicas. A divisão do trabalho implicou em desigualdade. A escravidão foi estabelecida e continuou a existir até o século 19. Ainda que o faraó tivesse uma pirâmide como tumba, seu povo era enterrado em valas comuns.

O século 19, da mesma forma que o 20, apresentou uma série de bifurcações. A cada vez que novos materiais eram descobertos - carvão, petróleo ou novas formas de energia utilizável-, a sociedade se transformava. Será que não se poderia dizer que, tomadas como um todo, essas bifurcações conduziram a uma maior participação da população na cultura' e que de lá por diante as desigualdades entre as classes sociais nascidas na era neolítica começaram a diminuir?

Homem e natureza No geral, bifurcações são a um só tempo um sinal de instabilidade e um sinal de vitalidade em uma dada sociedade. Elas expressam também o desejo por uma sociedade mais justa. Mesmo fora das ciências sociais, o Ocidente preserva um espetáculo surpreendente de bifurcações sucessivas. A música e a arte, por exemplo, mudam a cada 50 anos. O homem continuamente explora novas possibilidades, concebe utopias que podem conduzi-lo a uma relação mais harmoniosa entre homem e homem e homem e natureza. E esses são temas que ressurgem constantemente nas pesquisas de opinião sobre o caráter do século 21.

A que ponto chegamos? Estou convencido de que estamos nos aproximando de uma bifurcação conectada ao progresso da tecnologia da informação e a tudo que a ela se associa como a multimídia, robótica e inteligência artificial. Essa é a "sociedade de rede", com seus sonhos de aldeia global.

Mas qual será o resultado dessa bifurcação? Em qual de seus ramos nos encontraremos? A palavra "globalização" cobre uma grande variedade de situações diferentes? E possível que os imperadores romanos já estivessem sonhando com globalização, uma cultura única dominando o mundo. A preservação do pluralismo cultural e o respeito pelo outro exigirá toda a atenção das gerações futuras. Mas há outros riscos no horizonte.

Cerca de 12 mil espécies de formigas são conhecidas hoje. Suas colônias variam de algumas centenas a muitos milhões de indivíduos. E interessante notar que o comportamento das formigas depende do tamanho da colônia. Em colônias pequenas, a formiga se comporta de forma individualista, procurando comida e a levando de volta ao ninho. Quando a colônia é grande, porém, a situação muda e a coordenação de atividades se toma essencial. Estruturas coletivas surgem espontaneamente, então, como resultado de reações autocatalíticas entre formigas que produzem trocas de informação medidas quimicamente.

Não é coincidência que nas grandes colônias de formigas ou térmites os insetos individuais se tomem cegos. O crescimento populacional transfere a iniciativa do indivíduo para a coletividade.

Por analogia, podemos nos perguntar qual será o efeito da sociedade da informação sobre nossa criatividade individual. Há vantagens óbvias nesse tipo de sociedade - basta pensar na medicina ou na economia. Mas existe informação e desinformação. Como diferenciá-las? Claramente, isso requer cada vez mais conhecimento e um senso crítico desenvolvido. O verdadeiro precisa ser distinguido do falso,o possível do impossível. O desenvolvimento da informação significa que estamos legando uma tarefa pesada às futuras gerações. Não devemos permitir que surjam novas divisões resultando da ''sociedade de redes" baseada na tecnologia da informação. Mas é preciso igualmente examinar questões mais fundamentais.

Em sentido geral será que a bifurcação reduzirá a distância entre os países ricos e os pobres? A globalização será caracterizada pela paz e democracia ou por violência, aberta ou disfarçada? Cabe às futuras gerações criar as flutuações que determinarão o rumo do evento correspondente à chegada da sociedade da informação.

Minha mensagem às futuras gerações, portanto, é de que os dados não foram lançados e que o caminho a ser percorrido depois das bifurcações ainda não foi escolhido. Estamos em um período de flutuação no qual as ações individuais continuam a ser essenciais.

Quanto mais a ciência avança, mais nos espantamos com ela. Fomos da ideia geocêntrica de um sistema solar para a heliocêntrica, e de lá para a ideia das galáxias e, por fim, para a dos múltiplos universos. Todos já ouviram falar do Big Bang. Para a ciência, não existe um evento único, e isso conduziu à ideia de que múltiplos universos podem existir. Por outro lado, o homem é até agora a única criatura viva consciente do espantoso universo que o criou e que ele, por sua vez, pode alterar. A condição humana consiste em aprender a lidar com essa ambiguidade. Minha esperança é de que as gerações futuras aprendam a conviver com o espanto e com a ambiguidade.

A cada ano, nossos químicos produzem milhares de novas substâncias, muitas das quais derivadas de produtos naturais - um exemplo da criatividade humana no seio da criatividade natural como um todo. Esse espanto nos leva a respeitar os outros. Ninguém é dono da verdade absoluta, se é que essa expressão significa alguma coisa. Acredito que Richard Tarnes esteja certo:

''A paixão mais profunda da alma ocidental é redescobrir a unidade com as raízes de seu ser''.

Essa paixão leva à afirmação prometéica do poder da razão, mas a razão pode também conduzir à alienação, a uma negação daquilo que dá valor e significado á vida. Cabe às futuras gerações construir uma nova coerência que incorpore tanto os valores humanos quanto a ciência, algo que ponha fim às profecias quanto ao ''fim da ciência'', ''fim da história" ou quanto ao advento da ''pós-humanidade''.

Estamos apenas no começo da ciência, e muito distantes do tempo em que se acreditava possível descrever todo o universo em termos de algumas poucas leis fundamentais. Encontramos o complexo e o irreversível no domínio microscópico (tal como associado às partículas elementares), no domínio macroscópico que nos cerca e no domínio da astrofísica. Cabe às futuras gerações construir uma nova ciência que incorpore todos esses aspectos, porque, por enquanto, a ciência continua em sua infância.

Da mesma forma, o fim da história poderia ser o fim das bifurcações e a realização das visões de pesadelo de Orwell ou Huxley quanto a uma sociedade atemporal que perdeu sua memória. Cabe às futuras gerações manterem-se vigilantes para garantir que isso jamais aconteça. Um sinal de esperança é o de que o interesse pela natureza e o desejo de participar da vida cultural jamais foi maior do que hoje. Não precisamos de nenhum tipo de pós-humanidade. Cabe ao homem tal qual é hoje, com seus problemas, dores e alegrias, garantir que sobreviva no futuro. A tarefa é encontrar a estreita via entre a globalização e a preservação do pluralismo cultural, entre a violência e a política, e entre a cultura da guerra e a da razão. São responsabilidades pesadas.

Uma carta às gerações futuras é sempre e necessariamente escrita de uma posição de incerteza, de uma extrapolação arriscada do passado. No entanto, continuo otimista. O papel dos pilotos britânicos foi crucial para decidir o desfecho da Segunda Guerra Mundial. Foi, para repetir uma palavra que usei com frequência nesse texto, uma "flutuação". Confio em que flutuações como essa surgirão sempre, para que possamos navegar seguros entre os perigos que hoje percebemos. É com essa nota de otimismo que eu gostaria de encerrar minha mensagem.

Água e energia elétrica são recursos básicos. Tem que ter livre
Por extensão, tudo deveria ser livre. Controlado mas livre


Rogério Guimarães
Membro Dedicado
Membro Dedicado
Mensagens: 36
Registado: terça mai 06, 2014 2:52 am
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por Rogério Guimarães » domingo abr 23, 2017 7:54 am

vinato Escreveu:
domingo jan 22, 2017 9:23 am
Começamos a falar a mesma língua.
Graças a Deus, NÃO !

Desculpe a franqueza mas, para falar a "sua língua", eu precisaria emburrecer muito, esquecer toda a Física e Matemática que aprendi a partir dos 10 anos de idade, e ainda assim, ter a mania incontrolável de fingir possuir algum conhecimento científico.

Estes seriam alguns dos pré-requisitos para escrever tanta besteira em todas as mensagens.
Deus me livre, Vinato!



vinato Escreveu:
domingo jan 22, 2017 9:23 am
Rogério Guimarães Escreveu: Qual é a fonte dessa energia com a qual você pretende obter um fluxo?
A fonte que estou extraindo energia é o campo magnético no qual estamos envolvidos. O Campo magnético solar é a fonte do fluxo de energia.
Onde você "aprendeu" mais essa besteira, Vinato?

Às vezes leva anos para que a Terra seja alvo de uma tempestade solar que chegue a interferir em circuitos elétricos com grande área, como linhas de transmissão.
Exceto pelas tempestades solares, o campo magnético solar, na Terra, é muito fraco, e é praticamente estático.
São duas razões independentes que tornam impossível usá-lo para obtenção de energia.



vinato Escreveu:
domingo jan 22, 2017 9:23 am
O Campo magnético solar é a fonte do fluxo de energia. (E a energia cinética da rede atual, vem de outra fonte?)
Como alguém mentalmente saudável conseguiria afirmar tanta besteira, Vinato?

A energia elétrica no Brasil vem, principalmente, das usinas hidrelétricas.
E quem alimenta os reservatórios das hidrelétricas é o calor do sol.

Assim, voltamos à mesma questão:
Qual é a fonte dessa energia com a qual você pretende obter um fluxo?

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
vinato
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 427
Registado: quinta fev 14, 2013 4:20 pm
Localização: Taubaté/SP/Brasil
Contacto:
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por vinato » domingo abr 23, 2017 8:27 am

Eis que ressurge das cinzas o Rogério!
Comentei que falávamos a mesma língua, quando concordou que o eixo acumulava energia cinética.
Rogério Guimarães Escreveu:
domingo abr 23, 2017 7:54 am
vinato Escreveu: Começamos a falar a mesma língua.
Graças a Deus, NÃO !


Pra falarmos a mesma língua deveríamos ter o mesmo propósito. Querer contribuir.
Venho falando da contra mão em que está a Ciência, defendendo esta estrutura que visa lucro, vendendo energia mas colhendo prejuízos.

Estamos conscientes do jogo existente.
Fica claro até aqui, o esforço em desqualificar o meu trabalho. Sem a menor preocupação...
A energia elétrica vem do átomo.
Acontece que a massa de elétrons contida no campo magnético dos imãs, pode ser manipulada para movimentar o eixo do motor e gerar energia elétrica ao mesmo tempo.
Campos magnéticos concentram cargas elétricas. Campos magnéticos em movimento criam corrente elétrica.

Rogério Guimarães Escreveu:A energia elétrica no Brasil vem, principalmente, das usinas hidrelétricas.
E quem alimenta os reservatórios das hidrelétricas é o calor do sol.

Hidrelétricas concentram energia potencial em águas pra movimentar campos magnéticos. E alimentam as Odebrecht's...
Considero arcaica, a cara deste sistema.


Deveríamos desenvolver sistema de controle, sem privilégios. Com direitos. Liberdade. Respeito!

Água e energia elétrica são recursos básicos. Tem que ter livre
Por extensão, tudo deveria ser livre. Controlado mas livre

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
vinato
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 427
Registado: quinta fev 14, 2013 4:20 pm
Localização: Taubaté/SP/Brasil
Contacto:
Estado: Desligado

Re: Mecânica dos Magnetos

Mensagem por vinato » segunda abr 24, 2017 6:52 pm

Eletroímã consiste em geral num núcleo de material ferromagnético envolto por um fio isolado disposto de forma helicoidal; eletromagneto [Quando a corrente atravessa o fio, o núcleo se magnetiza].
Na minha Ciência (minha ignorância), o imã permanente é um material ferromagnético eletrizado. Ou, em seu campo contém uma carga elétrica constante, transferida quando movimentada para outro material semelhante, ou bobina de fio condutor isolado gerando a corrente elétrica.
Esta mesma massa de partículas elétricas contidas no campo magnético, no motor magnético, é usada para repulsão, para descarregar energia potencial de massas volantes, criando (se transformando em) energia cinética e elétrica.

Hidrelétricas, movimentam campos magnéticos que transferem cargas elétricas para bobinas, criando corrente elétrica; e alimentam as Odebrecht's...
Não precisamos mais do que campos magnéticos, para transformar energia potencial em cinética e elétrica.


Água e energia elétrica são recursos básicos. Tem que ter livre
Por extensão, tudo deveria ser livre. Controlado mas livre

Responder

Voltar para “Energia Magnética / Perpétua”

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante