Alternador automotivo em uma turbina eólica

Local onde se pode colocar tópicos sobre experiências,
Também serve para fotos e vídeos sobre projectos.



Avatar do Utilizador

Sun_rise_pt
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 311
Registado: sábado jul 14, 2007 6:51 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Sun_rise_pt » sábado set 13, 2008 7:14 pm

josenir, na electrónica (como em muita coisa mais) considero interessante vários factores que não degradem o resultado final:
- a fiabilidade.
- a simplicidade.
- a economia com auma boa relação entre preço prestação.
- a versatilidade de usar em várias situações semelhantes.
- etc...

só considerei demasiada complicação para uso de amadores nesse outro circuito. e como pela minha experiência já me passaram pela frente alguns, apenas mostrei o meu ponto de vista, que na minha opinião parece fazer sentido. e sempre no intuito de que outros não tenham de passar por tentativas infrutíferas que me sucederam..

cada um seguirá o caminho que desejar.
na electrónica sempre é possível a abordagem de um assunto de formas diversas.

uma pergunta: já usou ímanes de neodímio de qualidade? (sei que existem em sp para venda)
experimente e chegará á conclusão que vale a pena. o único defeito (de os usar em alternadores de carro) é a necessidade de um pouco mais de torque no arranque. isso será de alguma forma compensado com umas pás adequadas.



jprr
Membro Dedicado
Membro Dedicado
Mensagens: 43
Registado: sábado jul 12, 2008 10:45 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por jprr » sábado set 13, 2008 11:21 pm

boas a todos!


[quote="sun_rise_pt"]no entanto, para quem não gostar dos ímanes de neodímio (???) e pretender canalizar trabalho e tempo para outros pontos alteráveis, poderá refazer a bobinagem e construir um rotor com maior número de pares de polos, mantendo o enrolamento da indutora original.




sun_rise_pt fiquei curioso quando você diz em "construir um rotor com maior numero de polos"
-há relatos em alguem ter feito isso? - se sim, voce tem mais informação sobre isso? como foi feito? o numero de polos que levou? e o extrator fica com três fases na mesma? e os enrolamentos são feitos da mesma maneira ou seja seis enrolamentos por cada fase? -dá um melhor rendimento com rotaçoes inferiores? ...

se tiver mais informação sobre isso diga se faz favor, fiquei curioso sobre isso

obrigado


ps: não consigo ver o valor ou referencias dos componentes do seu esquema, mesmo depois de ampliar a imagem fica muito desfocado e não se consegue ver

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Josenir
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 1473
Registado: quinta set 04, 2008 12:42 am
Localização: Boa Vista - Roraima - Brasil
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Josenir » sábado set 13, 2008 11:28 pm

sun_rise_pt Escreveu:1) josenir, na electrónica (como em muita coisa mais) considero interessante vários factores que não degradem o resultado final:
- a fiabilidade.
- a simplicidade.
- a economia com auma boa relação entre preço prestação.
- a versatilidade de usar em várias situações semelhantes.
- etc...

2) só considerei demasiada complicação para uso de amadores nesse outro circuito. e como pela minha experiência já me passaram pela frente alguns, apenas mostrei o meu ponto de vista, que na minha opinião parece fazer sentido. e sempre no intuito de que outros não tenham de passar por tentativas infrutíferas que me sucederam..

cada um seguirá o caminho que desejar.
na electrónica sempre é possível a abordagem de um assunto de formas diversas.

3) uma pergunta: já usou ímanes de neodímio de qualidade? (sei que existem em sp para venda)
experimente e chegará á conclusão que vale a pena. o único defeito (de os usar em alternadores de carro) é a necessidade de um pouco mais de torque no arranque. isso será de alguma forma compensado com umas pás adequadas.
1) neste ponto, parece que somos gêmeos univitelinos: penso da mesma forma. veja que até recebí aqui uma crítica do tipo "se você é tão intendido, poque usar ci 555 (coise de amador)?". este é um preço que tenho que pagar por procurar a simplicidade. você com certeza já deve ser recebido algo parecido, faz parte. tenho duas outras versões deste mesmo regulador/excitador: uma que usa a carga da bateria para excitação e outra que usa um microcontrolador pic, mas prefiro esta última que publiquei, pois além de ser a mais simples é a mais eficiente e mais confiável.

2) é assim mesmo, provavelmente você terá algum circuito que eu venha a achar muito complicado e tenha uma versão mais simples, existem muitos caminhos para se chegar ao mesmo lugar.

3) tenho aqui uma turbina modelo savonius com 5m de altura x 1,2m de largura, que devido à simplicidade construí e montei em apenas dois dias com apenas um ajudante. usei 4 tambores de 200l. tenho nela um motor de máquina de lavar de 1/2 cv x 120v, do qual tirei o bobinamento e fiz um novo para 12v com 8 pólos trifásico e adaptei 8 ímãs de neodímio de 20x30x10 novos comprados de uma fábrica de qualidade. na bancada ele produziu 13a por fase, puxado por um motor de 1/2 cv de baixa rotação, mas na turbina savonius, não queira fazer uma, o rendimento é péssimo. com 6 m/s de vento não chega a 3a por fase.
fora este que está funcionando no momento, antes disso já tinha feito outros geradores com ímãs, conheço o suficiente para ter segurança do que digo. aliás, aguarde que tenho ainda o regulador para gerador de ímãs, do tipo que estou usando nesta turbina, para publicar a qui no forum. se você gosta de geradores de ímãs, então não pode deixar de montar este regulador, pois ele também "tira leite de pedra".
nos próximos dias publico o circuito deste regulador, pois tenho que fazer uns pequenos ajustes no desenho, antes.

de certa forma pode-se pensar que seja infrutífero este nosso diálogo, porque você é defensor dos ímãs e eu defensor dos geradores com induzido bobinado e nem um dos dois cede espaço, mas eu pessoalmente que tenho ganhado muito, espero que você também.

a coisa mais importante que ganhamos é a tolerância.

veja a turbina savonius, mas observe que esta minha tem uma pequena adaptação em relação à original, a déia é minha, para facilitar a partida com ventos fracos, mas mesmo assim não rende bem. este lá em cima sou eu.
Savonius.jpg
Savonius.jpg (31.03 KiB) Visto 20118 vezes

Avatar do Utilizador

Sun_rise_pt
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 311
Registado: sábado jul 14, 2007 6:51 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Sun_rise_pt » domingo set 14, 2008 8:04 am

os meus parabens por esse aerogerador, josenir!

estou para fazer um novo de eixo vertical, e já tenho a torre de suporte no local. nunca antes fiz e tenho curiosidade.
o ùnico que conheci é do instituto superior técnico (de lisboa) e está implantado na praia do guincho, cascais. sinceramente, apesar de local de ventos constantes e de ele ser bem grande, nunca me pareceu ter um grande desempenho...

falta encontrar um gerador que de alguma forma se compatibilize com a baixa rotação. estou a pensar num asíncrono feito a partir de um motor trifásico normal. mas antes vou fazer os testes na máquina para ver o que obtenho.

desculpe a pergunta: em que região do brasil você está?

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Josenir
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 1473
Registado: quinta set 04, 2008 12:42 am
Localização: Boa Vista - Roraima - Brasil
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Josenir » domingo set 14, 2008 4:39 pm

sun_rise_pt Escreveu:os meus parabens por esse aerogerador, josenir!

estou para fazer um novo de eixo vertical, e já tenho a torre de suporte no local. nunca antes fiz e tenho curiosidade.
o ùnico que conheci é do instituto superior técnico (de lisboa) e está implantado na praia do guincho, cascais. sinceramente, apesar de local de ventos constantes e de ele ser bem grande, nunca me pareceu ter um grande desempenho...
falta encontrar um gerador que de alguma forma se compatibilize com a baixa rotação. estou a pensar num asíncrono feito a partir de um motor trifásico normal. mas antes vou fazer os testes na máquina para ver o que obtenho.

desculpe a pergunta: em que região do brasil você está?
estou no norte do brasil, a 200 km da fronteira com a venezuela, em boa vista e tenho um sítio situado 35km a oeste da ciadade, que é o meu campo de provas. é uma região de campos, aparentemente muito favorável para a energia eólica. o problema é que os ventos aqui, mesmo sendo muito constantes, quase nunca ultrapassam 6 m/s. percebe um dos motivos da minha preferência por não usar ímãs ? a turbina tem que ter altíssimo desempenho e muita inércia para tirar energia de ventos tão fracos, qualquer mínimo atrito prejudica.

e falando ainda sobre ímãs, concluí que a pior idéia para se fazer um gerador de ímãs é justamente a mais usada por todos. para você ver que nem tudo aquilo que é aprovado por unanimidade é o melhor. todo mundo quer pegar um motor ou gerador e embutir ímãs em seu induzido. esta é a pior idéia porque os motores com rotor bobinado ou gaiola de esquilo têm um entreferro com sapatas polares entre as ranhuras do estator e esse ferro atrapalha de duas formas: porque ocupa espaço entre os ímãs e a bobina, fazendo uma certa brindagem que diminui as linhas de força dos ímãs que chegam à bobina, e por ficar tão próximo do ímã, prendendo o rotor. a melhor idéia é aquela do gerador caseiro que existem muitos projetos na internet, que se usa um disco de ferro para fixar os ímãs e um disco de compensado fino com resina para fixar as bobinas, e fechando o sanduíche outro disco de ferro. percebe aí que o ferro está bem longe dos ímãs e as bobinas estão mais próximas e estão em uma disposição plana, o que melhora consideravelmente o desempenho.
melhor ainda é o projeto abaixo que possui dois discos de ímãs com o disco das bobinas sem ferro ao centro.
Gerador_ima.JPG
Gerador_ima.JPG (65.11 KiB) Visto 20081 vezes
sobre o motor assíncrono, se eu fosse você deixava ele somente para depois que você tivesse dominado completamente o motor síncrono, pois a excitação do motor síncrono é muito mais fácil. depois que você estiver apto a funcionar qualquer motor síncrono em uma turbina eólica com um rendimento aceitável, poderia passar para o motor assíncrono.
o motor assíncrono, dá melhor rendimento que o sincrono para turbina eólico, e hoje nas turbinas de grande porte ele é muito usado, já quase superando o sincrono. ele possui carcterísticas que o tornam incrivelmente melhor para eólica, mas esbarra-se na técnica de excitação e controle, que não é simples. não tem como fazer um circuito com transístores para a excitação e controle do motor assíncrono. se você não domina plenamente um bom microcontrolador, pode desistir. essa de usar capacitores para a sua partida, em eólica nem pensar. eu já fuciono na bancada qualquer motor assincrono, mas ainda não consegui tirar bom rendimento dele. por isso, para a turbina que estou concluindo nos próximos dias, estou preparando um gerador síncrono de 16 pólos, pois neste eu já tenho firmeza.
mas vou lhe adiantar algumas vantagens do motor assíncrono, ou motor de indução:
1) permite produzir corrente alternada com freqüência mais ou menos constante com diferentes velocidades
2) baixíssimo consumo de energia para gerar campo
3) praticamente impossível de queimar, pois se houver sobrecarga a excitação automaticamente cessa.
4) permite manter a mesma tensão de saída com velocidade entre metade da velocidade síncrona e o dobro desta. ele se comporta como se fosse um motor com um transformador na mesma máquina.
entre outras. mas controlar ele é que é o problema.

sobre as turbinas de eixo vertical, aí você tocou num assunto que particularmente me atrai, pois já fiz várias e concordo com os críticos que dizem que elas, independente do desenho têm rendimento mais baixo do que as convencionas de eixo horizontal. mas elas possuem muitas vantagens que amenizam um pouco este baixo rendimento. por exemplo:
1) são muito simples de construir
2) são praticamente imunes a excessos de vento
3) têm velocidade limitada e bem mais constante do que os convencionais
4) são mais robustas
5) usam materiais de mais baixo custo e menos exigentes
6) não estão sujeitas às perdas pelas forças de coriolis
7) não precisam se direcionar conforme as mudanças de direção do vento
8.) têm alto torque de partida
9) têm partida com ventos muito fracos, exceto o modelo darrieus e os de aerofólios

desvantagens:
1) baixa rotação
2) maior esforço sobre a torre, impedindo a sua instalação em torres altas

mas mesmo assim gosto muito delas e estou concluindo uma com 4,15m de diâmetro por 90cm de altura e oito pás. com baixíssima velocidade de vento tem a força de um boi !

Avatar do Utilizador

Luciano Kaefer
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 5621
Registado: sexta abr 13, 2007 4:02 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Luciano Kaefer » domingo set 14, 2008 5:43 pm

olá josenir

permita-me cumprimenta-lo pelas suas intervenções. de qualidade, objetividade e contributo ao interesse maior de nosso forum, que é a partilha e a organização das informações.

em nome da equipa de moderação, sinta-se homenageado pelos seus contributos à essa comunidade.
esperamos que aqui permaneça.

sds

luciano
O Conhecimento, quando Compartilhado, se Multiplica.

Avatar do Utilizador

FERNANDO PEREIRA
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 443
Registado: sábado abr 07, 2007 6:02 pm
Localização: corroios
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por FERNANDO PEREIRA » domingo set 14, 2008 6:19 pm

muitos parabéns pelo bom nível técnico, e não só.

gostaria de lhe perguntar se o as forças de coriolis estão relacionadas com a lei de betz??

nunca pensou colocar um escudo direcionável á direcção do vento, por fora da estrutura, de forma a aumentar a potência??

estava convencido que a utilização de um escudo anulava a lei de betz, no entanto com experiências verifiquei um aumento de rotação de cerca de 50%. logo se a lei de betz atenua no máximo 41% tive de ir “buscar” os restantes a algum lado. talvez aos 0,5 da formula mais básica para calcular o potencial energético existente por m2.

mas, o mais importante é cumprimentá-lo e desejar a continuação de bom trabalho prático confirmante ou não dos elevados conhecimentos teóricos que tem.

Avatar do Utilizador

Sun_rise_pt
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 311
Registado: sábado jul 14, 2007 6:51 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Sun_rise_pt » domingo set 14, 2008 6:46 pm

josenir,
infelizmente não conheço o norte do brasil.
já estive com vontade de ir a manaus, tendo sido convidado a visitar uma fábricas que por lá existem, mas ainda não deu.
pelo que sei é uma região muito agradável.

concordo com os pontos que refere sobre a turbina que construiu. mas existe o problema da baixa velocidade e o que se tem de acrescentar para compensar isso
a darrieus é boa mesmo, tendo aquela dificuldade característica no arranque. juntando uma pequena savonius ao eixo de rotação da darrieus (como aqui já vi na net) resolverá a questão.

conheço desde há muito os motores e geradores síncronos de perto, pois foram uma das matérias escolares quando a parte técnica começou na minha formação civil. após isso, já como militar, passei de novo por esta matéria (desde início!!! como se não tivesse havido formação anterior... ). passei também por uma das maiores centrais portuguesas de produção hidroeléctrica que na época havia. e acabei com electrónica de altas frequências no curriculum, sendo este o meu principal míster até hoje.

sinceramente os geradores assíncronos são "novidade" práctica para mim, poi só os conheço de ouvir falar e do que leio na net. mas a teoria de produção e dos métodos de excitação inicial fazem todo o sentido!
o pessoal que trabalha com os vestas (eólicos enormes!) já me falou no assunto. tenho um amigo alemão que pertence a uma companhia que estará a instalar grandes máquinas (pelo menos era esse o projecto...) na paraiba e na costa do rio grande do norte, entre natal e touros.

já fiz vários alternadores semelhantes à ultima imagem que apresentou. possuem vantagens e desvantagens. são fáceis de construir para quem tem tempo disponível. e ficam algo caros, pois os ímanes de neodímio possuem um custo unitário que quando multiplicado fica considerável. o fio de cobre está bem caro. a resina de polyester... as formas... o restante harware... e no fim, não se parece muito com um alternador comercial!!!

ultimamente tenho comprado os alternadores e fazendo a mecânica restante. tenho alguma facilidade na aquisição.

este é o meu mais recente protótipo já testado (aqui na base de montagem do conjunto no solo) que já pensei mesmo em comercializar porque já passou em muitos testes, alguns deles de dureza considerável.
possui um sistema inovador de protecção de ventos fortes, algo parecido com os da bornay.
neste momento estou a tentar a optimização ( sempre se encontra algo mais pare refinar...) e a testar várias pás diferentes todas moldadas em fibra de vidro e também de carbono para determinar as que serão mais convenientes em facilidade de arranque, em termos de suavização do "cogging" e de outras vibrações de desequilibrio dinâmico e também de forças giroscópicas.
tenho conseguido valores que chegam a superar os 1400w (tem um peso total de máquina de apenas 14kg!!!)
Imagem

Avatar do Utilizador

ventoinhas
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 899
Registado: quinta nov 02, 2006 7:17 pm
Localização: portugal
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por ventoinhas » domingo set 14, 2008 8:43 pm

esse aerodinamo da imagem aparenta qualidade de fabrico mas a esposiçao ao vento nao é optima pois a turbulencia provacada pelos obstacolos é enorme .coragem ai nesses projectos e cuidado com os mais pequenos permenores que podem tudo anular .
um motor tem milhares de peças se uma se danificar afecta o bom foncionamento de todas as outras
• A prece é um ato de adoração a Deus. Está na lei natural, e é o resultado de um sentimento inato do homem, assim como é inata a idéia da existência do Criador.

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Josenir
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 1473
Registado: quinta set 04, 2008 12:42 am
Localização: Boa Vista - Roraima - Brasil
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Josenir » domingo set 14, 2008 10:37 pm

ventoinhas Escreveu:esse aerodinamo da imagem aparenta qualidade de fabrico mas a esposiçao ao vento nao é optima pois a turbulencia provacada pelos obstacolos é enorme .coragem ai nesses projectos e cuidado com os mais pequenos permenores que podem tudo anular .
um motor tem milhares de peças se uma se danificar afecta o bom foncionamento de todas as outras
o projeto mostrado é apenas do gerador, é claro que se você vai usar ele direto no eixo da turbina, precisa colocar na frente, ao centro, cobrindo todo o gerador, uma carenagem aerodinâmica. você já deve ter visto, uma cúpula, parecido com um nariz de palhaço.
sobre as milhares de peças de um gerador, acredito que foi apenas uma erro e digitação, pois um motor tem menos de uma dúzia de peças.

Avatar do Utilizador

Sun_rise_pt
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 311
Registado: sábado jul 14, 2007 6:51 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Sun_rise_pt » domingo set 14, 2008 11:04 pm

então ventoinhas?

as imagens são um complemento do texto que é preciso ler!!!
o aerogerador está instalado num pedestal que eu uso para reunir todos os componentes dele até estar completo, como disse na mensagem anterior.

não "lembraria ao diabo" obrigar um aerogerador a ficar afogado por árvores e edifícios...

apesar de morar num local relativamente alto, como se poderá apreciar, não é ali o local onde ele pode fazer o trabalho dele, como é evidente!... amanhã, talvez, para tranquilizar, eu já traga algumas fotos da torre que eu uso onde os obstáculos são menores.

---
para o jprr:

na alteração mecânica do rotor indutor há uma maneira universal que é a de fazer o mesmo número de polos magnéticos que tem a parte induzida. e esta deve ser bobinada adequadamente, obtendo assim um gerador monofásico.
pode manter o sistema tradicional, que é preferido por josenir, mantendo a excitação por bobina no rotor indutor.
pode também manter a mais utilizada (que sinceramente prefiro, como tenho dito) que é a de ter ímanes permanentes no rotor a fazerem isto mesmo.

vantagens:
-dispensa uma boa parte de construção de um rotor novo segmentado;
-aumenta o rendimento do gerador;
-dispensa a perda de energia necessária à magetização do rotor;
-produz energia com rotação menor.
-segmentado a bobinagem até pode ( fazendo um circuito de controle automático ) por segmentos em série ou paralelo´o que permite fazer uma gestão melhorada da tensão de saída que por vezes é muito acima do interessante a grandes rpm. em portugal (boa parte) os ventos são inconstantes especialmente porque os suportes dos aerogeradores dos amadores não chegar aos fluxos de ventos laminares. (todos já constatámos por observação: muitas vezes o vento é variável ao nível do solo, mas no entanto "lá em cima" a velocidade das nuvens é constante. para um dado local, quanto mais alto (mas não exageradamente!!!) melhor é a qualidade do vento. há muito mais perturbação cá em baixo. quem conhece a mecânica dos fluidos saberá o que quero dizer. quem tem alguma experiência de aviação, também!!!)

desvantagens:
-o monofásico (se for esta a opção... há outras) tem mais "ressaltos" (cogging) por rotação.
-os ímanes permanentes causam um pouquinho de relutância ao arranque.
(porém como se pode observar nas caraterísticas dos geradores apresentados na net, desde os pequeninos até aos de umas dezenas kw, que sempre usam(!!!) ímanes permanentes (desde que os há com qualidade), as velocidades de arranque são tão baixas que a produção seria desprezível se eles iniciassem a rotação antes disso.

aconselho os que se quiserem informar sériamente. a conhecerem a relação ( proporcionalidade relativa (interessante)) entre a velocidade do vento a da energia possível de converter por um gerador eólico , a consultar os muitos locais aqui na net onde isto está detalhado.
este é um ponto fundamental. há outros como a densidade do ar; o tipo de turbina; etc...

---

para o josenir:

-toda a ajuda no escoamento do ar que evite pertubações é bem vinda, especialmente quando o canaliza para o local que pretendemos.
há muita coisa pré-fabricada adaptável com facilidade ao centro da turbina.
não o estou usando apenas porque estou comparando desempenho de pás. na minha torre em poucos minutos substituo pás sem grande dificuldade, pois construí um pedestal para permitir ficar lá com algum conforto físico.

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Josenir
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 1473
Registado: quinta set 04, 2008 12:42 am
Localização: Boa Vista - Roraima - Brasil
Estado: Desligado

Muito interessante o seu catavento

Mensagem por Josenir » domingo set 14, 2008 11:19 pm

sun_rise_pt Escreveu:josenir, infelizmente não conheço o norte do brasil.
já estive com vontade de ir a manaus, tendo sido convidado a visitar uma fábricas que por lá existem, mas ainda não deu.
pelo que sei é uma região muito agradável.

1) já fiz vários alternadores semelhantes à ultima imagem que apresentou. possuem vantagens e desvantagens. são fáceis de construir para quem tem tempo disponível. e ficam algo caros, pois os ímanes de neodímio possuem um custo unitário que quando multiplicado fica considerável. o fio de cobre está bem caro. a resina de polyester... as formas... o restante harware... e no fim, não se parece muito com um alternador comercial!!!

2) este é o meu mais recente protótipo já testado (aqui na base de montagem do conjunto no solo) que já pensei mesmo em comercializar porque já passou em muitos testes, alguns deles de dureza considerável.
tenho conseguido valores que chegam a superar os 1400w (tem um peso total de máquina de apenas 14kg!!!)
ótimo, se vier a manaus, me avise, quem sabe a gente se encontra por lá. pelo menos duas vezes por ano vou a manaus.

1) qualquer coisa neste mundo, por melhor que seja possui alguma desvantagem. tudo tem um preço. neste caso, o gerador possui 16 pólos e o seu rendimento em velocidades baixas é ótimo. mas se você quizer economizar e usar apenas metade dos ímãs, terá menos da metade do rendimento para a mesma velocidade.
quando faço um gerador bobinado, tanto faz ele ter 2 pólos como 16, o fio que vou gastar é exatamente o mesmo, não pago um centavo a mais para ter a quantidade de pólos que quero. a quantidade de fio depende da potência que quero, do espaço físico no estator para abrigar as bobinas, da carcaça do gerador usado, etc, não depende do número de pólos.
ter uma grande quantidade de pólos no gerador é uma exigência para a aplicação em energia eólica, devido às baixas rotações.

veja o exemplo da minha turbina de eixo vertical, que já montei experimentalmente nos últimos dias: tem a força de um boi, mas a rotação com vento de 4 m/s não passa de 20 rpm. com o ampliador de rotação, chega a 350 rpm. mesmo com ventos muito fortes, que não temos, devido às características deste tipo de turbina, a velocidade não passa de 500 rpm, nem se os tornados americanos chegassem aqui, e é somente com isso que posso contar.
tenho a minha disposição uma força muito grande, mas uma vez que tenha de ampliá-la, jogo quase toda esta força fora.
então, como acha que pretendo gerar algo em torno de 5kw com apenas 350 rpm ? preciso de um gerador com pelo menos 24 pólos. no momento estou montando um de 16 pólos em uma carcaça de motor de 1/2 cv. se funcionar bem partirei para a máquina de 24 pólos 7,5 kw, pois estou pretendendo ligar minha máquina de solda de 250a nesta turbina.

2) sobre o seu projeto, achei muito simpático, lhe dou o meu maior apoio. apenas vá com cautela com os planos de comercialização, pois existe um distância muito grande entre uma idéia genial e um produto final na mão do consumidor. é preciso muito tempo e trabalho para vencer este longo caminho. avante amigo !

Avatar do Utilizador

FERNANDO PEREIRA
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 443
Registado: sábado abr 07, 2007 6:02 pm
Localização: corroios
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por FERNANDO PEREIRA » domingo set 14, 2008 11:25 pm

sim tudo mto verdade mas, o tal especie “nariz de palhaço” que o josenir e o ventoinhas tb se estava a referir, indirectamente entre linhas, não devia de ser esquecido por um teórico presumido.

josenir esta mensagem é para si:
muitos parabéns pelo bom nível técnico, e não só.

gostaria de lhe perguntar se o as forças de coriolis estão relacionadas com a lei de betz??

nunca pensou colocar um escudo direcionável ao retorno das pás, na estrutura da turbina eólica de eixo vertical, de forma a aumentar a potência??

estava convencido que a utilização de um escudo anulava a lei de betz, no entanto com experiências verifiquei um aumento de rotação de cerca de 50%. logo se a lei de betz atenua no máximo 41% tive de ir “buscar” os restantes a algum lado. talvez aos 0,5 da formula mais básica para calcular o potencial energético existente por m2.

mas, o mais importante é cumprimentá-lo e desejar a continuação de bom trabalho prático confirmante ou não dos elevados conhecimentos teóricos que tem.

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Josenir
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 1473
Registado: quinta set 04, 2008 12:42 am
Localização: Boa Vista - Roraima - Brasil
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Josenir » segunda set 15, 2008 4:09 am

fernando pereira Escreveu: muitos parabéns pelo bom nível técnico, e não só.
1) gostaria de lhe perguntar se o as forças de coriolis estão relacionadas com a lei de betz??

2) nunca pensou colocar um escudo direcionável ao retorno das pás, na estrutura da turbina eólica de eixo vertical, de forma a aumentar a potência??
estava convencido que a utilização de um escudo anulava a lei de betz, no entanto com experiências verifiquei um aumento de rotação de cerca de 50%. logo se a lei de betz atenua no máximo 41% tive de ir “buscar” os restantes a algum lado. talvez aos 0,5 da formula mais básica para calcular o potencial energético existente por m2.

mas, o mais importante é cumprimentá-lo e desejar a continuação de bom trabalho prático confirmante ou não dos elevados conhecimentos teóricos que tem.
me desculpe a demora, mas hoje é domingo, e é o dia que eu mais trabalho. agradeço tanto seus elogios quanto as perguntas e um pouco desta experiência que divide conosco. achei muito importante a sua participação, e o seu tema é bastante oportuno.
1) as forças de coriolis não tem nenhuma relação com o limite de betz, acho mais correto falar assim (não lei). quando se fala que a turbina de eixo vertical não sofre os efeitos das forças de coriolis, o que se quer dizer é que ela possui apenas um movimento relativo. no caso da turbina de eixo horizontal, o que temos são dois movimentos relativos, um do rotor girando em torno do seu eixo, e outro quando o vento muda de direção, do corpo da turbina em torno da torre. para ser mais prático, experimente levantar do chão um ventilador de boa potência em funcionamento e dar meia volta segurando ele. vai ver que existe uma força que segura o ventilador, contrariando o seu movimento de dar mei volta: isto é a força de coriolis e a turbina de eixo vertical está livre deste efeito, devido a não haver este movimento em relação à torre.

2) já ví muito sobre isto, existem até turbinas comercias com este recurso, como as turbinas tma. mas eu prefiro desenvolver projetos o mais simples possíveis, com menos peças para se quebrarem ou servirem de peso. e isto não alteraria em nada o limite de betz, apenas amplia a área ocupada pela turbina e diminui ainda mais o percentual de energia convertida. mas concordo que resulta em aumento de velocidade da turbina.

Avatar do Utilizador

Sun_rise_pt
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 311
Registado: sábado jul 14, 2007 6:51 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Sun_rise_pt » segunda set 15, 2008 11:47 am

fotos de uma parte do que aqui há e que poderá dar ideias aos construtores:
desculpas pelo mau posicionanento e desfoque de algumas imagens

a máquina de testes preliminares de estatores:
Imagem

discos dos rotores de testes:
Imagem

um gerador aberto:
(como se pode ver, o bloco de rolamentos é o usado nas máquinas de lavar domésticas, e o conjunto está inserido numa gaiola de tubo inox)
Imagem

o mesmo em prova:
Imagem

outros:
Imagem
Imagem

e a mais nova torre:
Imagem

Avatar do Utilizador

FERNANDO PEREIRA
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 443
Registado: sábado abr 07, 2007 6:02 pm
Localização: corroios
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por FERNANDO PEREIRA » segunda set 15, 2008 7:47 pm

sim sr. os meus parabéns sun_rise_pt não é só teoria, muito bem.


jprr
Membro Dedicado
Membro Dedicado
Mensagens: 43
Registado: sábado jul 12, 2008 10:45 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por jprr » segunda set 15, 2008 9:00 pm

fantástico, temos aqui profissionalismo

obrigado por partilharem conosco o vosso conhecimento

em tempos andei com ideia de fazer um aerogerador, basiando-me nestes dois sites(em baixo)
mas os preços dos imans desmotivou-me, são super caros e para se conseguir bom rendimento têm que ser imans grandes e algumas dezenas(conforme o projecto) o que torna muito dispendioso

posso saber que tamanho de imans vocês usam?

obrigado


nestes dois sites tem vários projectos de aerogeradores, muito interessante para quem se interessa pelo assunto. força

http://www.windstuffnow.com/main/

http://www.otherpower.com/otherpower_wind.html

Avatar do Utilizador

Sun_rise_pt
Membro Silver
Membro Silver
Mensagens: 311
Registado: sábado jul 14, 2007 6:51 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Sun_rise_pt » terça set 16, 2008 10:45 am

os ímanes que actualmente estou a usar (no disco da faoto anterior) são de 25mm de dia. e 10mm de altura, mas muito fortes (n48). já usei outros rectangulares maiores e mais fracos.
são caros mesmo!!! €4.00 x 24.

no caso dos geradores:
o mais "chato" é que um amador em determinados aspectos raramente consegue aproximar-se da qualidade profissional, sendo sempre de ponderar o que custa uma opção e outra. estas máquinas são usadas em serviços muito duros, desde os mecânicos, aos térmicos (na minha região de portugal as temperaturas oscilam entre a negativas e as superiores a 40º), a humidade, e por aí...

há partes, no entanto, que se podem fazer em casa a baixo custo e com alguma qualidade final.
...

resumindo, voltando ao assunto do tópico e expondo o meu parecer:

quem pretender usar um alternador automotivo comum(mesmo de autocarro (omnibus)) na produção de energia vai ter que "suar" muito e de gastar $$$ para fazer uma máquina que não careça de uma assistência acima da razoável e que possa fornecer uma energia pareciada com a que produz num veículo, que lógicamente é exatamente o nível para que ele foi concebido e não mais!


não quero eu dizer que não haja alguém imaginativo que não invente algo que deite estes conceitos por terra.
ficaremos felizes quando isso acontecer!!! especialmente eu!

----

a título de gracejo, direi:

conseguiremos por qualquer um óleo a fritar batatas!!!
alguns serão os ideais...
outros fritarão "assim-assim"...
ainda os outros, que apesar de fritarem será um desperdício, pois nenhuma batata se aproveitará!

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Josenir
Colaborador
Colaborador
Mensagens: 1473
Registado: quinta set 04, 2008 12:42 am
Localização: Boa Vista - Roraima - Brasil
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Josenir » terça set 16, 2008 2:22 pm

jprr Escreveu:fantástico, temos aqui profissionalismo
obrigado por partilharem conosco o vosso conhecimento
em tempos andei com ideia de fazer um aerogerador, basiando-me nestes dois sites(em baixo)
mas os preços dos imans desmotivou-me, são super caros e para se conseguir bom rendimento têm que ser imans grandes e algumas dezenas(conforme o projecto) o que torna muito dispendioso
posso saber que tamanho de imans vocês usam?
obrigado

nestes dois sites tem vários projectos de aerogeradores, muito interessante para quem se interessa pelo assunto. força
http://www.windstuffnow.com/main/
http://www.otherpower.com/otherpower_wind.html
os ímãs de neodimio que usei nos meus geradores de ímãs sempre foram de medidas no máximo 20mmx30mmx10mm retangulares até porque trabalhar com tamanhos maiores é um pouco perigoso. com este tamanho, considerando os custos e benefícios, concordo que não se trata de uma coisa economicamente inviável. o meu questionamento é sobre a sustentabilidade a médio e longo prazo. é como o petróleo: ainda hoje, mesmo com os preços recordes, continua sendo economicamente viável, mas a longo prazo, como será que vai ficar ? por isso é sempre bom estudarmos alternativas sustentáveis para o futuro. eu tenho uma profecia sobre o petróleo: ele nunca vai acabar ! vocês acreditam ?
- pois pode acreditar, porque muito antes de acabar, o petróleo vai ficar economicamente inviável.
veja o caso do brasil que possui monstruosas reservas, mas a profundidades que hoje não são economicamente viáveis de exploração.
não me assustaria se isso acontecesse bem antes com os ímãs de neodímio, devido a eles estarem em estágio mais avançado de preços inflacionados, mesmo não tendo seu uso tão popular como o petróleo.a continuar a energia eólica sendo popularizada e usando eles em larga escala, este é um futuro sombrio.
o gerador que mostrei como exemplo de forma construtiva é feito com 32 ímãs de neodimio n38 com medidas 2" x 1" x 0.5" em dois discos, cada um com 16 e se propõe a gerar 10kw. parece fantástico, não ?
sobre os dois sites que você indicou, relamente são muito recomendados para quem pretende desenvolver alguma coisa em energias alternativas, eu já os conhecia e recomendo também.


Njay
Membro Gold
Membro Gold
Mensagens: 1981
Registado: sábado nov 17, 2007 9:46 pm
Estado: Desligado

Re: Alternador automotivo em uma turbina eólica

Mensagem por Njay » terça set 16, 2008 2:31 pm

sim sr., alegra-me ver tanta "mão na massa" por aqui

os geradores que vocês fazem têm o mesmo número de pólos (imãs) e dentes (bobinas)?
Copyright (c) Njay 2012-2015
Um dia o dinheiro será substituído por Conhecimento.
Aprilia RS125e
Troniquices.wordpress.com

Responder

Voltar para “Experiências, Protocolos e Projectos”