Página 1 de 1

Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: terça ago 03, 2021 2:23 pm
por Navig8tor
Não sabia onde colocar este tópico, caso seja entendido que pertence a outro "subfórum" entendo perfeitamente.

Então, na permanente tentativa de fazer baixar os custos com a energia, ao pesquisar pelas tarifas dos comercializadores em Portugal, deparei-me com um que tem uma tarifa indexada ao OMIE (mercado ibérico de energia) - Alfa Energia.

Pela pesquisa que fiz deu para ver que o preço médio da energia no OMIE em 2020 foi de 33,96 EUR/MWh (3,396 EUR/KWh).
No primeiro semestre de 2021, o preço médio ronda os 58,26 EUR/KWh (5,826 EUR/KWh) e teve a seguinte evolução:
Janeiro - 60,43
Fevereiro - 28,34
Março - 45,41
Abril - 64,98
Maio - 67,12
Junho - 83,30

Se por um lado assusta um pouco a enorme volatilidade dos preços, por outro lado dá para perceber que estão mesmo assim muito abaixo das tarifas fixas cobradas pelos comercializadores "tradicionais".
Bem sei que aos preços do mercado "SPOT" acrescem custos de gestão, perdas da rede e gastos operacionais, mas mesmo assim parece-me ser algo interessante.

Alguém tem ou conhece quem tenha esta tarifa e saiba quais os custos adicionais aplicados ao preço de mercado?

Seria útil saber mais sobre estes preços para perceber se é ou não uma alternativa viável às tarifas fixas praticadas no nosso mercado.

.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: terça ago 03, 2021 7:13 pm
por Quintas2
Não estou muito por dentro do assunto. A única coisa que sei é que há que ter o cuidado para que os contratos tenham algum mecanismo de salvaguarda para, em casos pontuais de preços extremos, o consumidor não ter de pagar esses preços. Parece-me que essa proteção existe em alguns países, nesses contratos indexados.
Mas não nos USA, que, com as últimas tempestades de inverno, devido à escassez da energia, os preços subiram astronomicamente, vendo-se os consumidores confrontados com contas de milhares de dólares, nesse período.
https://www.google.com/amp/s/www.texast ... bills/amp/

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: quinta ago 05, 2021 9:15 am
por Navig8tor
Quintas2 Escreveu: terça ago 03, 2021 7:13 pm Não estou muito por dentro do assunto. A única coisa que sei é que há que ter o cuidado para que os contratos tenham algum mecanismo de salvaguarda para, em casos pontuais de preços extremos, o consumidor não ter de pagar esses preços. Parece-me que essa proteção existe em alguns países, nesses contratos indexados.
Mas não nos USA, que, com as últimas tempestades de inverno, devido à escassez da energia, os preços subiram astronomicamente, vendo-se os consumidores confrontados com contas de milhares de dólares, nesse período.
https://www.google.com/amp/s/www.texast ... bills/amp/
Pois, de facto dá que pensar, sobretudo olhando para a evolução mais recente dos preços mesmo no MIBEL.
Tentei obter dados dos custos que acrescem ao preço do MWh, mas sem sucesso. Apenas consegui saber que o preço médio final do KWh em junho rondou os 0,18 EUR nesta tarifa.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: quinta ago 05, 2021 4:50 pm
por rnlcarlov
Eu estou dentro do assunto, pois a comercializadora onde trabalho funciona com base em tarifários indexados. Criei um tópico aqui: viewtopic.php?f=10&t=22176&sid=d2e24d48 ... 545c595b14

Concordo plenamente que no longo prazo a tarifa indexada é a mais vantajosa, embora possa haver períodos como os que estamos a atravessar em que os preços do MIBEL atingem valores historicamente elevados. No entanto períodos prolongados com estes preços reflectem-se em todo o lado mais cedo ou mais tarde. Basta ver empresas como a Yes-energy (YLCE) que nas tarifas fixas já estão a cobrar igualmente valores muito elevados. Muito provavelmente vamos ter uma atualização de preços dura no início do próximo ano, quando as grandes comercializadoras lançarem os preços para 2022.
Podemos ver a tarifa indexada como estando na dianteira das flutuações de mercado. Quando há períodos como este são os primeiros tarifários onde se sente o aumento. Mas quando baixam também é a que reflecte primeiro isso.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: sexta ago 06, 2021 9:02 am
por Quintas2
O problema que relatei não é relativo a flutuações de longa duração, essas atingem todos. É as de curta duração. No link que pus, consumidores com contas de USD 250, pagaram num mês USD 8000, só em consequência de uma tempestade. Dá que pensar.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: sexta ago 06, 2021 7:23 pm
por rnlcarlov
Sim, eu li sobre esse caso. Mas esse caso particular do Texas foi ali um cocktail bastante único. Em primeiro lugar, a rede elétrica do Texas é apelidada de uma "manta de retalhos" detida pelo estado local, que opera independementemente da rede federal.
Quando veio a tempestade e as centrais a gás ficaram KO bem como partes da rede, como não conseguiam aceder às redes eletricas federais devido a estarem desligados do resto do país, vieram as faltas de luz e os aumentos do preço no mercado, ajudado por uma série de previsões mal feitas pelo conselho local e utilizarem mecanismos de emergência de uma forma errada.
O que isto veio mostrar é que realmente é uma má ideia ter um preço de mercado quando o mercado é pequeno, isolado e dependente de quase unicamente uma fonte de energia (gás). Não creio que um cenário parecido aconteça nalgum país europeu, até porque muitos mercados funcionam conjuntamente.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: terça nov 16, 2021 5:05 pm
por serges
Acho e a "Tempestade perfeita" está a atingir a UE mas Portugal ainda estamos mais ou menos protegidos… Mas aguardemos pois ainda não chegamos ao pico!

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: terça nov 16, 2021 6:11 pm
por JLMF
Navig8tor Escreveu: terça ago 03, 2021 2:23 pm Não sabia onde colocar este tópico, caso seja entendido que pertence a outro "subfórum" entendo perfeitamente.

Então, na permanente tentativa de fazer baixar os custos com a energia, ao pesquisar pelas tarifas dos comercializadores em Portugal, deparei-me com um que tem uma tarifa indexada ao OMIE (mercado ibérico de energia) - Alfa Energia.

Pela pesquisa que fiz deu para ver que o preço médio da energia no OMIE em 2020 foi de 33,96 EUR/MWh (3,396 EUR/KWh).
No primeiro semestre de 2021, o preço médio ronda os 58,26 EUR/KWh (5,826 EUR/KWh) e teve a seguinte evolução:
Janeiro - 60,43
Fevereiro - 28,34
Março - 45,41
Abril - 64,98
Maio - 67,12
Junho - 83,30

Se por um lado assusta um pouco a enorme volatilidade dos preços, por outro lado dá para perceber que estão mesmo assim muito abaixo das tarifas fixas cobradas pelos comercializadores "tradicionais".
Bem sei que aos preços do mercado "SPOT" acrescem custos de gestão, perdas da rede e gastos operacionais, mas mesmo assim parece-me ser algo interessante.

Alguém tem ou conhece quem tenha esta tarifa e saiba quais os custos adicionais aplicados ao preço de mercado?

Seria útil saber mais sobre estes preços para perceber se é ou não uma alternativa viável às tarifas fixas praticadas no nosso mercado.

.
Sem considerar a credibilidade dos valores, em todo o caso neste 2º semestre 2021 serão muito mais altos, quereria escrever em vez de :
33,96 EUR/MWh (3,396 EUR/KWh) e 58,26 EUR/KWh (5,826 EUR/KWh)
Isto? :
33,96 EUR/MWh (0.3396 EUR/KWh) e 58,26 EUR/MWh (0.5826 EUR/KWh)

Há duas horas, 16h00, em Portugal e Espanha a 209€ MWh, França, Alemanha e grande parte da Europa a 301€ MWh,
Este diferencial não é constante mas as renováveis na Ibéria tem feito a diferença, mais renováveis por favor, sem subsídios, sobre a terra, sobre o mar, ás renováveis, ás renováveis, pela energia lutar. ;)

A partir de amanhã e durante alguns dias vamos ter mais vento e com sol. :)

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: terça nov 16, 2021 9:53 pm
por rnlcarlov
serges Escreveu: terça nov 16, 2021 5:05 pm Acho e a "Tempestade perfeita" está a atingir a UE mas Portugal ainda estamos mais ou menos protegidos… Mas aguardemos pois ainda não chegamos ao pico!
O consumidor doméstico talvez, devido à existência da tarifa regulada e das consequências que daí advém para a tarifa liberalizadas. Já os grandes consumidores estão muito mais expostos, tal como acontece no resto da europa.
Pois a nível de comparação de preços de mercado, claro que pontualmente há diferenças a favor ou contra no mercado ibérico vs resto da europa, mas tirando os mercados nórdicos anda tudo por médias muito parecidas.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: quinta nov 18, 2021 9:40 am
por pedrosilva
Não paga o consumidor doméstico de uma maneira pagam os contribuintes de outra, que já têm sido bastante prejudicados com os contratos que o Estado tem feito com as eléctricas quando há esta pressão para aumentos.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: quinta nov 18, 2021 11:43 pm
por rnlcarlov
Mas estás a falar dos sobrecustos dos contratos de produção em regime especial (incentivo às renováveis)? Esses não têm propriamente a ver com a subida de preços.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: sábado nov 20, 2021 5:12 pm
por pedrosilva
Apesar de estar incluído no Défice Tarifário, refiro-me à outra parte do défice tarifário "justificada" por aumentos da cotação do petróleo e outras balelas no passado. O aumento do gás natural tem muito mais impacto que o aumento da cotação do petróleo (em Portugal nem há centrais a fuel óleo) e já estou a ver o governo face a um aumento enorme aventado pelas utilities vá assinar mais um mau contrato para engordar bem o défice tarifário e as utilities.

Isso de meterem o PRE no défice tarifário foi mesmo só para associarem as renováveis ao défice tarifário e lançarem a ideia que as renováveis são caras e outras mentiras num país sem recursos fósseis como Portugal.

Exemplo de um dos grandes aumentos do défice tarifário por causa do preço do petróleo:
https://eletricidade.net/viewtopic.php?t=2793

"A única hipótese de cobrir os custos crescentes com o preço dos combustíveis fósseis era aumentar na mesma proporção o preço da electricidade. "

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: domingo nov 21, 2021 11:31 am
por rnlcarlov
pedrosilva Escreveu: sábado nov 20, 2021 5:12 pm Apesar de estar incluído no Défice Tarifário, refiro-me à outra parte do défice tarifário "justificada" por aumentos da cotação do petróleo e outras balelas no passado. O aumento do gás natural tem muito mais impacto que o aumento da cotação do petróleo (em Portugal nem há centrais a fuel óleo) e já estou a ver o governo face a um aumento enorme aventado pelas utilities vá assinar mais um mau contrato para engordar bem o défice tarifário e as utilities.
Por acaso temos centrais a fuelóleo a funcionar, mas não se localizam no continente.

Mas com a publicação das tarifas da EDP para 2022, verificou-se um pouco aquilo que esperava, aumentaram preços, mas mantiveram mais ou menos ao nível da tarifa regulada, naturalmente para evitar saídas de clientes. Desta forma não deve sobrecarregar muito a tarifa regulada. E se a EDP não mexe muito os maiores concorrentes devem seguir caminho idêntico, aguentar o próximo ano que as previsões apontam para uma baixa de preços do final do próximo ano.

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: terça nov 23, 2021 8:41 am
por pedrosilva
Nem sei se as regiões autónomas entram no défice tarifário e aí naturalmente haverá subsídios de insularidade que fazem sentido. De qualquer forma para o custo médio de produção de energia em Portugal o impacto dos preços do petróleo só é relevante se mudar o preço do gás natural e carvão (este último agora já de saída) e na altura isso não aconteceu.

Salvo erro os preços que vemos no mercado grossista são sempre o resultado do leilão do valor mais alto do produtor marginal de electricidade. Ex: as barragens pedem 30 euros/MWh pela energia e as centrais a gás pedem 230 euros/MWh e todos recebem 230 euros/MWh. A EDP comercial tendo recursos próprios pode fazer aquilo que os simples comercializadores não podem: um preço abaixo do mercado grossista. Perdem do lado EDP comercial, mas ganham muito mais do lado EDP geração e no global devem acabar por pagar menos impostos com a marosca.

https://www.omie.es/pt/spot-hoy

Re: Contratação de tarifa indexada ao OMIE

Enviado: terça nov 23, 2021 10:13 pm
por rnlcarlov
Sem dúvida que todos os grandes grupos com portfólios de produção têm mais margem de manobra pois devido a aumentos de receita na produção. No entanto, não convém esquecer que isto apenas se aplica nos projetos renováveis a funcionar em regime de mercado. Nos que têm tarifas bonificadas, onde quer o mercado esteja alto ou baixo têm um valor garantido, a alta dos preços grossistas acaba por ter um efeito reduzido pois se tinham garantidos 200€/MWh, por exemplo, vender a 230€ é um bocadinho melhor, mas não é um impacto muito grande. Onde quase de certeza houve ganhos grandes foi na hídrica, pois quase todas funcionam a preços de mercado e este ano foi muito proveitoso para elas. Demais, infelizmente. Aqui por Portugal não notei isso, mas em Espanha a Iberdrola foi uma ****, esvaziando barrangens para níveis mínimos ainda mal o Verão tinha começado, só para encaixar mais € com a venda de energia. O parque natural de Monfragüe estava quase irreconhecível, onde só restava lodo verde em pleno rio Tejo e um cheiro nauseabundo. Uma tristeza autêntica, e eu já nem sequer apanhei a parte pior.

É que as hídricas (e as nucleares) têm uma particularidade a nível dos preços. Elas podem pedir 30€, como muito bem disseram. A questão é que quando o carvão e gás estão tão caros, porquê pedir 30 quando podem pedir 229€ e vender a energia toda na mesma?
É que foi precisamente isso que aconteceu muitas vezes este ano. Em Junho no MIBEL, cerca de 50% dos preços horários foram definidos pelas hídricas. Ou seja a hídrica era o produtor mais caro no mercado. Estávamos sem fontes fósseis a produzir energia e mesmo assim o preço estava acima dos 100€/MWh. Do ponto de vista do gestor da barragem: "se consigo vender a 100 e mesmo assim entro no mercado, porque raio vou colocar um valor mais baixo?".