ONU alerta que buraco na camada de ozono sobre o Árctico

Para assuntos relacionados com o meio ambiente que não tenham nenhuma relação com energias.



Responder
Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Tó Miguel
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 3727
Registado: terça mai 30, 2006 8:19 pm
Localização: Montijo/PORTUGAL
Contacto:
Estado: Desligado

ONU alerta que buraco na camada de ozono sobre o Árctico

Mensagem por Tó Miguel » terça abr 05, 2011 12:49 pm

onu alerta que buraco na camada de ozono sobre o árctico atingiu níveis recorde
05.04.2011
público

o buraco na camada de ozono, que protege a terra dos raios ultravioletas do sol, atingiu níveis recorde esta primavera por cima do árctico, alerta hoje a organização mundial de meteorologia. a situação explica-se pela persistência de substâncias nocivas na atmosfera e por um inverno muito frio.

“as observações efectuadas a partir do solo e através de sondas instaladas em balõe, bem como dados de satélite, revelam que a camada de ozono registou uma perda de 40 por cento na região do árctico entre o início do inverno e o fim do mês de março”, explica a organização mundial de meteorologia (omm) em comunicado.

já ontem, esta informação tinha sido avançada pela agência europeia espacial (esa).

“o recorde anterior de destruição do ozono era uma perda de cerca de 30 por cento durante um inverno”, precisou a organização, sediada em genebra.

o buraco de ozono registado pelos cientistas explica-se, segundo a omm, pela “persistência na atmosfera de substâncias nocivas para este gás e por um inverno muito frio ao nível da estratosfera, segunda grande camada da atmosfera terrestre, situada acima da troposfera”.

na antárctica, o buraco na camada de ozono é um fenómeno anual recorrente, durante o inverno e primavera, devido às temperaturas extremamente baixas na estratosfera. no árctico, as condições meteorológicas variam muito mais de ano para ano e as temperaturas são mais altas do que sobre a antárctida. por essa razão, “alguns invernos no árctico registam quase nenhuma perda de ozono”, salienta a omm.

a camada de ozono, a 25 quilómetros de altitude, é formada por uma molécula de três átomos de oxigénio que reflecte os raios ultra-violetas. as condições meteorológicas por cima do árctico mantiveram uma massa de ar gelado por cima da região. em março, quando a luz do sol começou atingir as latitudes mais a norte do planeta, produziram gases a partir dos clorofluorcarbonetos (cfc) que destroem as moléculas de ozono em moléculas de hidrogénio. os cfc, que eram utilizados para latas de spray, por exemplo, foram banidos no século passado no âmbito do protocolo de montreal, de 1987, mas vão permanecer na atmosfera durante mais algumas décadas até serem completamente degradados.

a omm estima que, graças a esse protocolo, a camada de ozono por cima das regiões polares volte ao seu nível de antes de 1980 por volta de 2030. por seu lado, indica ainda a organização, o buraco na camada de ozono que se forma todas as primaveras por cima da antárctida, é um fenómeno que deverá persistir até 2045-2060. no árctico, o regresso à normalidade chegará, provavelmente, dez a 20 anos mais tarde.

a exposição aos raios ultravioletas pode causar, no ser humano, cancros da pele, cataratas e uma alteração do sistema imunitário. algumas culturas e espécies de fauna marinha também podem ser afectadas.

http://ecosfera.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1488348
"ECOnomia também pode ser ECOlogia"
Sócio ANE Nº 16


Avatar do Utilizador

mauri
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 7877
Registado: sexta set 04, 2009 1:04 am
Localização: Amadora
Estado: Desligado

Re: ONU alerta que buraco na camada de ozono sobre o Árctico

Mensagem por mauri » terça abr 05, 2011 8:56 pm

tudo verdade.
Imagem
mas como era antes de 1985? foi quando começaram as primeiras medidas.
e o planeta viveu até então sem saber da existência do ozone!

portanto não há que ter receio, a natureza fará o seu papel!

o ozono e a formação do buraco do ozono

a alta atmosfera básico

o ozono e a formação do buraco do ozono
o ozono é um dos gases mais interessantes na nossa atmosfera. na estratosfera ele é necessário, essencialmente, para nos proteger da perigosa radiação uv proveniente do sol. por outro lado, junto à superfície terrestre, o ozono não é desejável em concentrações elevadas pois ele é um gás irritante, com influência negativa ao nível do tracto respiratório.

tão fascinante como o próprio ozono é a história da descoberta do buraco (na camada) do ozono e a compreensão da química que está relacionada. todos esperamos que as medidas tomadas nos últimos anos contrariem estes efeitos, e que o buraco possa fechar-se de novo. no nível básico vamos explicar este fenómeno, sem recorrer a demasiados conceitos de química.

a descoberta do buraco do ozono
nos anos 70 do século xx, a camada do ozono foi observada numa estação britânica na antártida (a british antarctic survey station) e foi medido um acentuado declínio da concentração do ozono. a descoberta do buraco do ozono está envolvida em diversas histórias.

diz-se que as primeiras medições, em 1985, revelaram valores tão baixos, que os cientistas que os efectuaram não acreditaram nos seus instrumentos. os resultados não foram publicados antes de serem instalados novos instrumentos que os confirmaram.

também o toms (em inglês “total ozone mapping spectrometer”) observava já a camada do ozono a partir do espaço. contudo, dizem as lendas, o buraco não tinha sido descoberto, pois valores inferiores a um determinado limite foram automaticamente considerados como valores erróneos. mais tarde, o processamento dos dados originais confirmou aquilo em que ninguém queria acreditar.

em poucos anos iniciou-se investigação muito intensiva. os avisos anteriores acerca do potencial impacte dos clorofluorcarbonetos (cfc) foram redescobertos e os níveis para a sua redução e finalmente a sua quase supressão foram fixados no protocolo de montreal e tratados seguintes. pela primeira vez o ser humano tomou consciência, de forma dramática, de que pode perturbar o sistema climático mundial à escala global. e foi também a primeira vez que se seguiu uma rápida resposta à escala mundial.

http://www.atmosphere.mpg.de/enid/b_sic ... o_2nn.html
Imagem
Associado 69Imagem
Antes de abrir um tópico utilize a Pesquisa
Prece
Imagem

Avatar do Utilizador

Autor do tópico
Tó Miguel
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 3727
Registado: terça mai 30, 2006 8:19 pm
Localização: Montijo/PORTUGAL
Contacto:
Estado: Desligado

Re: ONU alerta que buraco na camada de ozono sobre o Árctico

Mensagem por Tó Miguel » terça abr 05, 2011 9:17 pm

pois e parece que desde as primeiras medições até aos dias de hoje isto não tem melhorado muito afinal não devem de ser só os clorofluorcarbonetos (cfc) os culpados
"ECOnomia também pode ser ECOlogia"
Sócio ANE Nº 16

Avatar do Utilizador

mauri
Membro Platinium
Membro Platinium
Mensagens: 7877
Registado: sexta set 04, 2009 1:04 am
Localização: Amadora
Estado: Desligado

Re: ONU alerta que buraco na camada de ozono sobre o Árctico

Mensagem por mauri » quarta abr 06, 2011 10:51 am

buraco do ozono atinge novo máximo. risco também em portugal
06 de abril de 2011

especialista diz que se esperam níveis elevados de radiação ultravioleta no hemisfério norte nas próximas semanas

Imagem
consulte os níveis de uv no site do instituto de meteorologia

as temperaturas convidam aos primeiros mergulhos e a almoços na esplanada, mas se é daqueles que não resistem ao sol ponha protector antes de sair de casa. ontem a organização meteorológica mundial anunciou que a camada de ozono sobre o árctico atingiu um novo mínimo histórico - entre dezembro e março ficou 40% mais fina do que seria normal, quando o recorde anterior era 30%. ao i, markus rex, do instituto alfred wegener para a investigação polar e marinha e um dos especialistas presentes na conferência de imprensa da omm, explicou que "o recorde terá impacto em todo o hemisfério norte até uma latitude entre os 35 e os 40 graus, inclusive portugal". "poderá ser apenas alguns dias, nos quais a radiação ultravioleta estará acima do normal."

nas próximas semanas, e até ao final de maio, é de esperar que as massas de ar afectadas pela perda de ozono se misturem com o ar normal até a camada de 20 quilómetros repor os seus níveis normais - no árctico, ao contrário do que acontece no pólo sul, não existe um buraco na camada. europa central, canadá, eua e rússia serão as regiões mais afectadas, onde o sol poderá provocar queimaduras graves em apenas alguns minutos.

na origem do fenómeno estão as temperaturas frias na estratosfera, a segunda camada da atmosfera, entre os 10 e os 50 quilómetros de altitude. segundo os especialistas da omm, "as temperaturas baixas prolongaram-se mais do que o habitual" e abaixo dos 78oc negativos formam-se nuvens onde reacções químicas transformam gases à partida inócuos em partículas destruidoras do ozono. geir braathen, investigador da omm, explicava ontem que sem a camada de ozono "teríamos 70 vezes mais radiação uv do que temos hoje, por isso podemos dizer que a camada de ozono é como um protector solar de factor 70".

sucesso de montreal
os investigadores da omm explicaram ontem que, apesar de ser um novo recorde, era um fenómeno previsível. ainda assim, sublinham que sem o protocolo de montreal, que em 1987 baniu o uso de clorofluorocarbonetos (cfc) - as partículas que sob determinadas condições destroem o ozono -, o cenário seria muito pior. mais: espera-se que o planeta só recupere da utilização de sprays e sistemas de refrigeração tóxicos dentro de 40 anos no árctico e dentro de 60 anos na antárctida.

o facto de um protocolo assinado há 20 anos estar a contribuir para a solução de um dos problemas ambientais mais graves à escala mundial é visto como sinal positivo para os investigadores que defendem respostas rápidas para a ameaça das alterações climáticas. "é um sinal encorajador", comentou ao i filipe duarte santos, da faculdade de ciências da universidade de lisboa, lembrando que o compromisso ainda não existe para o clima. "havia um grande produtor de cfc, a dupont, que foi possível convencer a mudar de política. nas alterações climáticas trata-se de mudar o mundo: 80% das fontes de energia primária são combustíveis fósseis."

rex ajuda a retirar ilações: "montreal mostra-nos como as políticas globais do ambiente precisam de ser pensadas em termos de gerações. foram os nossos pais que produziram os cfc, fomos nós que iniciámos medidas para proteger a camada de ozono e serão os nossos filhos e netos a viver sem o buraco de ozono."

http://www.ionline.pt/conteudo/115421-b ... m-portugal
Imagem
Associado 69Imagem
Antes de abrir um tópico utilize a Pesquisa
Prece
Imagem

Avatar do Utilizador

Emanuel Couto
Moderador
Moderador
Mensagens: 5589
Registado: domingo jul 22, 2012 7:54 pm
Localização: Açores
Estado: Desligado

Re: ONU alerta que buraco na camada de ozono sobre o Árctico

Mensagem por Emanuel Couto » sexta fev 15, 2013 8:52 pm

Pois o buraco na camada de ozono, deixa o nosso planeta mais vulnerável!
O pior é que a tendência ê para piorar, a não ser que o homem mude drasticamente os seus comportamentos.
Imagem

Sistema Para Autoconsumo Off-Gride com (2185wp) http://www.novaenergia.net/forum/viewto ... 11&t=16450

Adoro Fotografia... http://olhares.sapo.pt/ecc/

Responder

Voltar para “Ambiente”